FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO: O CAMELO, O LEÃO E A CRIANÇA

Rodrigo Mafalda

Resumo


Para além do tema da formação, penso a transformação e a pluralidade, e o aperfeiçoamento do espírito humano. No interior da Filosofia da Educação, no discurso da educação, na teoria da educação e na pedagogia, tendo como orientação a filosofia nietzschiana. A importância de Nietzsche para o pensamento moderno não pode, decerto, ser reduzida a uma única ideia ou ponto interpretativo. Neste sentido, não devemos subestimar e evitar algumas das nuances do seu pensamento, considerando como representativo cada um dos três principais períodos da sua filosofia, contra e a favor da tradição. Em primeiro lugar, a juventude do filósofo e as conferências: Sobre o futuro de nossos estabelecimentos de ensino, isto é, observando o estatuto próprio do “discurso”, e Da retórica como subsídios para imaginar inúmeros exercícios de construção de um discurso nietzschiano para a educação atual; também a partir do mestre Zaratustra: na metáfora do camelo, do leão e da criança. Depois do discurso, na metáfora do leão, a teoria de Nietzsche sobre educação: as inúmeras aparições e derivações da fórmula de “como tornar-se o que se é”. Isso serve como base crítica para as reflexões sobre a formação do formador e vai para além dos discursos de juventude. E a partir da figura da criança, enfim, penso o estatuto da própria pedagogia como um conceito plural e indeterminado, que expressaria na função e no uso estratégico das metáforas o ensaio de uma grande pedagogia, tendo em vista a metamorfose da criança como o estágio de criação alegórica.

Palavras-chave


Discurso. Teoria da educação. Pedagogia.

Texto completo:

PDF

Referências


MARTON, Scarlett. Silêncio e Solidão. In: GEN – Grupo de Estudos Nietzsche. Cadernos Nietzsche. 9. ed. São Paulo: Cadernos Nietzsche Unifesp, 2000. Cap. 4., p. 79-105. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2018.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra. Um livro para todos e para ninguém. Friedrich Nietzsche; Tradução, notas e posfácio Paulo César de Souza. – São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

ROCHA, Silvia Pimenta Velloso. Tornar-se quem se é: educação como formação, educação como transformação. In: MARTINS, Angela Maria Souza; FEITOSA, Charles; BARRENECHEA, Miguel Angel de (Org.). Nietzsche e os gregos: arte, memória e educação. Rio de Janeiro: FAPERJ, UNIRIO; Brasilia: CAPES, 2006. p. 267-288. Trabalho apresentado no V Simpósio Internacional de Filosofia Assim Falou Nietzsche.

STEGMAIER, Werner. As linhas fundamentais do pensamento de Nietzsche. Coletânea de artigos: 1985-2009. Org.: Jorge Luiz Viesenteiner e André Luis Muniz Garcia. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

_______. Fluir. In: KONERSMANN, Ralf (Org.). Dicionário das metáforas filosóficas. São Paulo: Loyola, 2012. p. 171-192. Tradução de: Vilmar Schneider; Nélio Schneider.

VIESENTEINER, Jorge Luiz. Nietzsche e a vivência de tornar-se o que se é. Campinas, SP: Editora Phi, 2013. 326 p. (Filosofia alemã).




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.