AS IRMÃS DA CONGREGAÇÃO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA: AMPARO E EDUCAÇÃO ÀS MENINAS DESVALIDAS NAS CIDADES DE PELOTAS E RIO GRANDE/RS (1855 A 1873)

Hardalla Santos do Valle, Jeane dos Santos Caldeira

Resumo


A Congregação Imaculado Coração de Maria, teve uma expressiva atuação educacional voltada às meninas desvalidas nas cidades de Pelotas e Rio Grande/RS. Entre os elementos discutidos neste artigo, no bojo da Cultura escolar, estão a fundação de dois asilos e a contribuição educacional das Irmãs desta Congregação à infância em situação de vulnerabilidade. Como suporte teórico-metodológico deste estudo evocou-se a História Cultural, para a análise documental de jornais, livros de matrícula, regimentos e relatórios. É preciso acrescentar ainda, que este estudo não se esgota neste trabalho pela complexidade e riqueza do tema tratado. Contudo, foi intenção não apenas destacar a atuação de uma ordem religiosa feminina na esfera educacional, mas suscitar um contexto educacional propício para meninas em situação de vulnerabilidade. Lócus repleto de preconceitos de gênero, conflitos socioculturais, e ainda pouco abordado dentro dos estudos históricos educacionais.

Palavras-chave


Congregação Imaculado Coração de Maria. Educação de meninas desvalidas. Educação Católica.

Texto completo:

PDF

Referências


BORTOLUZZI, Pe. Octávio Cirillo. Documentário. 2. ed. Porto Alegre: Gráfica Dom Bosco, 1996.

BURKE, Peter. O que é História Cultural? Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

CALDEIRA, Jeane dos Santos. O Asilo de Órfãs São Benedito em Pelotas – RS (as primeiras décadas do século XX): trajetória educativa-institucional Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Pelotas (PPGE-UFPEL), 2014.

CERTEAU, Michel de. A Invenção do Cotidiano. Petrópolis: Vozes, 1997.

JORNAL ECHO DO SUL. Rio Grande,1858 a 1950.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, v. 1, n. 1, 2012. Disponível em:

http://rbhe.sbhe.org.br/index.php/rbhe/article/view/273/281

LONER, Beatriz Ana. Construção de classe: operários de Pelotas e Rio Grande (1888-1930). Pelotas: UFPEL, 2001.

MACIEL, Patrícia Daniela. Instituto Asilo de Órfãs Nossa Senhora da Conceição: estudo da educação das meninas abandonadas no século XIX. In: ASPHE - ENCONTRO SUL-RIOGRANDENSE DE PESQUISADORES EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 8, 2002. ASPHE - Iconografia e Pesquisa Histórica. Gramado: Seiva, 2002. p. 291-303.

MALIKOSKI, Adriano e KREUTZ, Lucio. A cultura escolar como categoria de análise na produção de narrativas históricas sobre educação. Revista Textura Canoas n.32 p.245-260 set./dez. 2014.

MARCÍLIO, Maria Luiza. História Social da criança abandonada. São Paulo: Hucitec, 1998.

MARTINS, Solismar Fraga. Cidade do Rio Grande: industrialização e urbanidade (1873-1990). Rio Grande: FURG, 2006.

NASCIMENTO, Heloisa Assumpção. Breve histórico do Instituto Nossa Senhora da Conceição: em comemoração aos seus cento e quarenta anos de fundação 1855 – 1995. Pelotas: Ed. Universitária UFPEL, 1995.

NEGRÃO, Ana Maria Melo. Infância, educação e direitos sociais: Asilo de Órfãs (1870-1960). Campinas: UNICAMP/CMU, 2004.

NEVES, Décio Vignoli. Vultos do Rio Grande. Santa Maria: Palloti, 1980.

PERUZZO, Rosária Sperotto. Abrigo de Menores: Hibridações na Constituição de Si. 1997. 302f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas.

POLIANTÉIA comemorativa do 75º Aniversário da chegada das Irmãs Franciscanas do Rio Grande do Sul 1872 -1947. Porto Alegre: Imprimatur, 1947. 176p.

REGIMENTO da Santa Casa de Misericórdia da Cidade do Rio Grande. Rio Grande: Tipografia do Diário, 1860.

REGIMENTO interno do Asylo Coração de Maria,1862.

RELATÓRIO apresentado ao conselho do município do rio grande, 1900 a1950.

RELATÓRIO das madres do Asylo Coração de Maria,1900 a 1950.

SAMARA, Eni de Mesquita; TUPY, Ismênia. História & Documento e metodologia de pesquisa. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

SENTANA, Ana Lucia e MOURA, Kátia. Asilo de Órfãs Coração de Maria. In: Metodologia e Técnica em Pesquisa Histórica. Rio Grande: FURG, 1989.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. Movimento Constitucional e Separatismo no Brasil (1821-1823). São Paulo: Horizonte, 1988.

SOUSA, Celita Maria Paes. Casa das educandas ou recolhimento das educandas: instituição para meninas desvalidas no Pará. No século XIX. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, número especial, p. 224-234, out 2011. Disponível em: ojs.fe.unicamp.br/ged/histedbr/article/download/3178/2840

RIZZINI, Irene; RIZZINI, Irma. A institucionalização de crianças no Brasil: percurso histórico e desafios do presente. 2. Ed. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio: São Paulo: Loyola, 2004.

______. O século perdido: raízes históricas das políticas públicas para infância no Brasil. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

RIZZINI, Irma. A pesquisa histórica dos internatos de ensino profissional: revendo as fontes produzidas entre o século XIX e XX. Revista Contemporânea de Educação, v.4, nº7, 2009. Disponível em:

https://revistas.ufrj.br/index.php/rce/article/view/1571/1419

TAMBARA, Elomar. Profissionalização, escola normal, feminização e feminilização: magistério sul-rio-grandense de instrução pública - 1880/1935. In: HYPOLITO, Álvaro; VIEIRA, Jarbas; GARCIA, Maria Manuela (Orgs.). Trabalho docente: formação e identidades. Pelotas: Seiva, 2002.

TORRES, Luiz Henrique. A Casa da Roda dos Expostos na cidade do Rio Grande. Revista Biblos, v.20, 2006. Disponível em:

http://www.seer.furg.br/biblos/article/view/724

______. Rio Grande em tempos de cólera. Rio Grande: Pluscom, 2015.

VANTI, Elisa dos Santos. . A breve história de Ethelvina: caridade, filantropia e assistência à infância em Pelotas, Rio Grande do Sul (1875-1900). História da Educação, v. 6, n. 12, p. 143-158, jul./dez. 2002. Dispónível em:

http://www.seer.ufrgs.br/asphe/article/view/30573

______. Lições de infância: reflexões sobre a História da Educação Infantil. Pelotas: Seiva Publicações, 2004.

VIDAL, Diana e SCHWARTZ, Cleonara (orgs). História das Culturas Escolares no Brasil. Vitória: EDUFES, 2010.

WERLE, Flávia. Espaço escolar e história das instituições escolares. Revista Diálogo Educ, Curitiba, v. 7, n. 22, p. 147-163, set./dez. 2007. Disponível em:

http://www2.pucpr.br/reol/index.php/DIALOGO?dd1=1579&dd99=pdf

______. História das Instituições Escolares: de que se fala? In: LOMBARDI, José Claudinei; NASCIMENTO, Maria Isabel Moura, (Orgs). Fontes, história e historiografia da educação. Campinas, SP: Autores Associados: HISTEDBR, 2004.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.