INTERDISCIPLINARIDADE NA VIVÊNCIA DOS PROFISSIONAIS DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

Maiani Pereira das Rosa de LINS, Tatiane Muniz BARBOSA, Fernanda de Matias

Resumo


Entender o conceito de interdisciplinaridade e suas contribuições para o trabalho em saúde coletiva são desafios que se apresentam à atuação dos profissionais em saúde, e em razão disto, esta pesquisa teve por objetivo conhecer as vivências de profissionais que atuam em uma equipe da Estratégia Saúde da Família (ESF) a respeito da interdisciplinaridade no cotidiano da unidade de saúde. Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com 07 profissionais integrantes de uma equipe da ESF, dentre as profissões de medicina, enfermagem, odontologia, técnico(a) de enfermagem, agente comunitário(a) de saúde e auxiliar de consultório dentário, sendo que os dados obtidos foram submetidos à analise temática. Através das 05 categorias que surgiram da análise, percebe-se que o termo interdisciplinaridade é ainda novo e vem sendo confundido pelos profissionais com trabalho multidisciplinar. Ainda assim, a pesquisa revelou que mesmo havendo confusão entre interdisciplinaridade e trabalho multidisciplinar os profissionais destacam necessidades que possuem ligação com o que se pretende de um trabalho interdisciplinar. Desta forma, destaca-se a importância de novas pesquisas que tragam maior visibilidade a respeito da contribuição que o trabalho interdisciplinar pode trazer para a área da saúde e para os profissionais que nela atuam.

 


Palavras-chave


Equipe Interdisciplinar de Saúde, Saúde da Família, Saúde Coletiva.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, M. B. S.; ROCHA, P. M. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, 2007, p. 1-11.

ANDRADE, L. O. M.; BARRETO, I. C. H. C., BEZERRA, R.C. Atenção Primária à Saúde e Estratégia Saúde da Família. In: CAMPOS, G. W. S., MINAYO, M. C. S., AKERMAN, M.; JUNIOR, M. D.; CARVALHO, Y. M. (Org). Tratado de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro: Ed Fiocruz, 2006.

BARROS, R. B.; BARROS de BARROS, M. E. Da dor ao prazer no trabalho. In: SANTOS FILHO, S. B.; BARROS de BARROS, M.E. (Org). Trabalhador da Saúde: muito prazer! Protagonismo dos trabalhadores na gestão do trabalho em saúde. Ijuí: Ed Unijuí, 2007. p.62-71.

CARVALHO, Y. M.; CECCIM, R. B. Formação e educação em saúde: aprendizados com a saúde coletiva. In: CAMPOS, G. W. S.; MINAYO, M. C. S.; AKERMAN, M.; JUNIOR, M. D.; CARVALHO, Y. M. (Org).

Tratado de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro: Ed Fiocruz, 2006. p.137-170.

CZERESNIA, D. O. Conceito de Saúde e a Diferença entre Prevenção e Promoção. In: CZERESNIA, D.; FREITAS, C. M. (Org). Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003. p.39-53.

FAZENDA, I. Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. São Paulo: Edições Loyola, 1991.

FRANCO, T. B.; MERHY, E. E. Programa de Saúde da Família (PSF): contradições de um programa destinado à mudança do modelo tecnoassistencial. In: MERHY, E. E. (Org). O trabalho em saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. São Paulo: Hucitec, 2006. p.55-124.

GOMES, R.; DESLANDES, S. F. Interdisciplinaridade na saúde pública: um campo em construção. Revista latino-Americana de enfermagem, Ribeirão Preto, v. 2, n. 2, 1994, p. 1-7.

JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Editora Imago, 1976.

MINAYO, M. C.S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2004.

SANTOS, M. A. M.; CUTOLO, L. R. A. A interdisciplinaridade e o trabalho em equipe no Programa de Saúde da Família. Arquivos Catarinenses de Medicina. Rio de Janeiro, v. 33, n. 3, 2004, p. 31-40.

SAUPE, R.; CUTOLO, L. R. A.; WENDHAUSEN, A. L. P; BENITO, G. A. V. Competência dos profissionais da saúde para o trabalho interdisciplinar. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 9, n. 18, 2005, p. 1-12.

WENDHAUSEN, A. L. P.; BARBOSA, T. M.; BORBA, M. C. Empoderamento e recursos para a participação em conselhos gestores. Saúde e Sociedade, Itajaí, v. 15, n. 3, 2006, p. 131-144.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.