UM OLHAR SOBRE AS RELAÇÕES ÉTNICAS NA ARTE AFRO-BRASILEIRA DE LASAR SEGALL

Nanci Alves da Rosa, Renilda Aparecida Costa de Liz

Resumo


O presente artigo pretende refletir sobre obras do lituano Lasar Segall em sala de aula de modo a proporcionar aos educadores e estudantes embasamentos teórico-metodológicos sobre a arte afro-brasileira como expressão da identidade nacional. As gravuras e pinturas desse pintor retratam o cotidiano das pessoas afrodescendentes. Ter o negro como temática era algo inédito para época mas este pintor e seu trabalho ajudaram na transformação do olhar em relação aos grupos étnicos, suas pinturas da favela, a descoberta da cor são exemplos que apresentam altivez e a beleza do fenótipo africano. Fazendo uso de uma arte que surge na Europa no século XIX. Lasar aprendeu a valorizar os desenhos cubistas, a deformação dos traços e o subjetivo do tema, características da arte moderna, apropriando-se do estilo expressionista. Percebemos ao longo do trabalho, da observação e leitura das imagens deste artista vasto repertório onde se observa o interesse do artista na valorização e representatividade do povo negro, o pintor junta-se aos excluídos apostando na resistência e resiliência humana mostrando força e esperança na igualdade racial.

Palavras-chave


Lasar Segall. Arte afro-brasileira. Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


OBRAS DE LASAR SEGALL:

Mae Preta(óleo,73X60) 1930.In: Gênios da pintura. São Paulo: Abril Cultural Ltda,1968.

Mangue (ponta seca s/papel,30X24)1927. In: CARDOSO, Rafael. A arte brasileira em 25 quadros (1790-1930). Rio de Janeiro: Record, 2008

Menino com lagartixas (óleo s/tela, 98x61).1924. In:CENTRO CULTURAL FIESP. Segall realista. Rio de Janeiro: Ipsis Gráfica e Editora, 2008.

Morro Vermelho (óleo,115X95cm)1926. In: Genios da pintura.Sao Paulo:Abril Cultural Ltda,1968

Mulata com criança(óleo s/tela 68X55). In:CENTRO CULTURAL FIESP. Segall realista. Rio de Janeiro: Ipsis Gráfica e Editora, 2008.

Perfil de Zulmira (óleo s/tela,62X54cm). In: CENTRO CULTURAL FIESP. Segall realista. Rio de Janeiro: Ipsis Gráfica e Editora, 2008.

BIBLIOGRÁFICAS

ABRAMOVIKZ, Anete. SILVÉRIO, Valter Roberto. Afirmando diferenças: montando o quebra-cabeça da diversidade na escola. São Paulo: Papirus, 2005.

AMARAL, Aracy. Artes plásticas na semana de 22. 5ed. São Paulo: Ed 34, 1998. 335p.

BARBOSA, Ana Mae. Tópicos utópicos. Belo Horizonte: Arte, 1998.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Arte. Brasília: MEC, 1998.

CAMPOS, Neide Pelaez. A construção do olhar estético crítico do educador. Florianópolis: UFSC, 2002.

CARDOSO, Rafael. A arte brasileira em 25 quadros (1790-1930). Rio de Janeiro: Record, 2008.

CENTRO CULTURAL FIESP. Segall realista. Rio de Janeiro: Ipsis Gráfica e Editora, 2008.

IAVELBERG, Rosa. Para gostar de aprender arte: sala de aula e formação de professores. Porto Alegre: Artmed, 2003.

MINISTÉRIO da Educação: Educação africanidades Brasil, 2006.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.