A PROPOSTA PEDAGÓGICA DA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENVOLVIMENTO INTEGRAL E APRENDIZAGEM DE QUALIDADE

Camila Machado Ribeiro da Silva, Izabel Cristina Feijó de Andrade, Marina Patrício de Arruda

Resumo


Esse projeto de TCC tem o objetivo de analisar a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e as Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica (DCNEB) a proposta pedagógica da Educação Infantil, especialmente com relação ao tempo e espaço físico ocupado pelas crianças. Para tanto foi necessário identificar as habilidades sugeridas na BNCC para o desenvolvimento da criança na Educação Infantil; identificar a articulação entre a organização do espaço e do tempo explicitados na BCNN e nas DCNEB para a educação infantil; e, verificar o conceito de infância e de criança propostos por nesses documentos oficiais. A pesquisa feita para este projeto foi qualitativa, por meio de estudos de documentos como as DCNEB e a BNCC, estes documentos foram selecionados, pois o projeto busca entender qual a proposta pedagógica da Educação infantil presente na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e nas Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica (DCNEB)? O estudo foi feito por meio de observação de três escolas dos municípios de Florianópolis e São José, onde o espaço oferecido e as crianças foram examinados em diferentes momentos, procurando analisar sua influência no desenvolvimento e aprendizagem das crianças. Além disso, foram feitas entrevistas com os educadores envolvidos com as turmas observadas para complementar à pesquisa. Podemos considerar ao final desse estudo que é papel do educador, orientar brincadeiras, estimular a curiosidade e ter consciência de que as crianças costumam reproduzir o comportamento que as pessoas usam com elas.

Palavras-chave


Educação Infantil; Desenvolvimento integral e aprendizagem. BNCC.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, B.M.F. Infâncias e educação infantil: aspectos históricos, legais e pedagógicos. Dossiê temático. Revista Aleph: Riode Janeiro, Ano V, n. 16, p.21-34, dez. 2011. Disponível em: .Acesso em: 16 maio.2019.

AMABILE, A. E. N. Políticas Públicas. IN: CASTRO, C. L. F. de; GONTIJO, C. R. B; AMABILE, A. E. N. (Orgs). Dicionário de políticas públicas. Barbacena: EdUEMG, 2012.

AMORIM, K. S. Estado da arte sobre consciência fonológica na educação infantil no Brasil no período de 2001-2011. 2014, 116 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal da Bahia, Salvador/Bahia, 2014.

BITTENCOURT, E. de S. Políticas de Educação na atualidade como desdobramento da

Constituição Federal e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação. In: MORAES, B. M. de et al. (Orgs.). Políticas públicas de educação. Rio de Janeiro: Ministério Público do Rio de Janeiro; Universidade Federal Fluminense, 2017.

BRANDÃO, A. C. P.; LEAL, T. F. Alfabetizar e letrar na educação infantil: o que isso significa? In: BRANDÃO, A. C. P.; ROSA, E. C. de S. (Orgs). Ler e escrever na educação infantil: discutindo práticas pedagógicas. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em . acesso em 22 de maio de 2019.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 05, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a educação infantil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 18 dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Conselho Nacional da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica/ Ministério da Educação. Secretária de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. – Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. 542p.

BRASIL, 2014. PNE Plano Nacional de Educação 2014-2024. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014. Disponível: . Acesso em: 22 jul. 2018

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular – Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2017. 542p.

CAXIAS, A. da S. A relação entre a consciência fonológica e a aquisição da escrita: ressignificando o processo. 2015. 157 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Federal da Paraíba: Mamanguape/PB, 2015.

DANTAS, E. L. S. educação infantil, cultura, currículo e conhecimento: sentidos da discussão. Natal/RN, 2016. 312 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2016.

FREITAS, L. C. de. Residência pedagógica do MEC: manifesto das entidades. 2018. Disponível em: . Acesso em: 26 abril.2018.

HASS, B. I. O currículo na educação infantil: (des)considerações históricas e a base nacional comum curricular. In: Anais do IV Seminário da Associação Nacional de política e administração da educação. / Universidade do Oeste de Santa Catarina. Joaçaba, SC: Unoesc, 2016.

LEITE, T. M. S. B. R.; MORAIS, A. G. de. O Ensino do Sistema de Escrita alfabética: por que vale a pena promover algumas habilidades de consciência fonológica? In: BRASIL. A aprendizagem do sistema de escrita alfabética. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. UNIDADE 3 | ANO 1. Ministério da Educação, Brasília, 2012.

LEITÃO, Fátima Maria Araújo Saboia. O trabalho com projetos e o desenvolvimento profissional dos educadores de educação infantil. 2011. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2011

MARANHÃO, P. C. S.; CUNHA PINTO, S. M, P. da; PEDRUZZI, C.M. Fonoaudiologia e educação infantil: uma parceria necessária. Revista CEFAC. v.11, n.1, p.59-66. Jan./mar. 2009.

MARCONI, M. de A. LAKATOS, E.M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MORAIS, A. G. de; SILVA, A. Consciência fonológica na educação infantil: desenvolvimento de habilidades metalinguísticas e aprendizado da escrita alfabética. In: BRANDÃO, A. C. P.; ROSA, E. C. de S. (Orgs). Ler e escrever na educação infantil: discutindo práticas pedagógicas. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

NUNES, M. F. R. Educação infantil no Estado do Rio de Janeiro: um estudo das estratégias municipais de atendimento. Rio de Janeiro, 2005, Tese de doutorado, UFRJ.

SARGIANI, R. de A. Fases iniciais da aprendizagem da leitura e da escrita em português do Brasil: efeitos dos fonemas, gestos articulatórios e sílabas na aquisição do mapeamento ortográfico. 2016. 213 f. Tese (Doutorado em Psicologia Escolar e Desenvolvimento Humano) - USP, Universidade de São Paulo: São Paulo, 2016.

TIRIBA, Léa. Diálogos entre a arquitetura e a pedagogia: educação e vivência do espaço. Organização: Zóia Prestes. Revista Virtual de Gestão de Iniciativas Sociais ISSN: 1808- 6535 Publicada em junho de 2008. P.27-43.

VESPOLI, A.C.T. A consciência fonológica e o programa ler e escrever. 2013. 175f. Dissertação (Mestrado em Ciência Humanas e Sociais) - Pontifícia Universidade Católica de Campinas: Campinas, 2013




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.