ADAPTAÇÕES CURRICULARES PARA ESTUDANTES COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO: O QUE OS PROFESSORES REALIZAM

Gabrielle Lenz da Silva, Renata Oliveira Crespo, Síglia Pimentel Höher Camargo

Resumo


A educação inclusiva, tão frisada e reforçada pela política sancionada em 2008, diz respeito a garantia do direito de estar na escola e usufruir dela em todos os seus aspectos. Neste sentido, a inclusão pode ser definida como a ação que a escola e todos os seus atores fazem para respeitar as limitações e especificidades de cada aluno, modificando-se para conseguir atender as demandas individuais, buscando sempre o desenvolvimento de cada aluno, seja ele pessoal, pedagógico e social. As adaptações curriculares são maneiras diferenciadas que podem ser utilizadas para efetivar a inclusão escolar de alunos com deficiências. Este trabalho teve como objetivo investigar quais adaptações as professoras realizam nos conteúdos, materiais e estratégias para a inclusão dos alunos com Transtorno do Espectro do Autismo, conhecer onde elas buscam informações e parcerias sobre como realizar estas adaptações e explorar possíveis dificuldades que as professoras encontram neste trabalho. Para isto, foram realizadas entrevistas individuais com as professoras, as quais foram guiadas por um roteiro semi-estruturado e analisadas de acordo com a análise de conteúdo. As professoras buscam informações principalmente com a professora do AEE e no Google. As adaptações que mais realizam é a utilização de jogos para ensinar os diversos conteúdos, bem como utilização do ‘sistema de trocas’ para que o aluno realize as atividades propostas. A principal dificuldade que encontram, é a falta de recursos na escola.

Palavras-chave


Transtorno do Espectro do Autismo. Inclusão escolar. Adaptações curriculares.

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAM PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. Porto Alegre: Artmed, 2014. 992 p.

Bardin, L. Análise de conteúdo (L. A. Reto & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa: Edições 70, 1977.

BRAUN, Patrícia; VIANNA Márcia M. Atendimento educacional especializado, sala de recursos multifuncional e plano de ensino individualizado: desdobramentos de um fazer pedagógico. In PLETSCH, M. D. & DAMASCENO, A. (orgs). Educação especial e inclusão escolar: reflexões sobre o fazer pedagógico. Seropédica, RJ: EDUR, p. 23-34, 2011.

BRASIL, Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasilia: MEC/SEESP, 2008.

FAVORETTO, N. C. & LAMÔNICA, D. A. C. Conhecimentos e necessidades dos Professores em relação aos transtornos do espectro autístico. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 20, n. 1, p. 103-116, Jan.-Mar., 2014

HEFLIN, J. ALAIMO, D. F. Students with autismo spectrum disorders: effective instructional practices. Upper Saddle River: Pearson Education, 1 ed, 2007.

LAMPRÉIA, C. A perspectiva desenvolvimentista para a intervenção precoce no autismo. Estudos de Psicologia. Campinas 24(1) p. 105-114. Janeiro – março, 2007.

MARQUES, A. H.; BARBOSA, V. M.; GOMES, L. T. S. A inclusão do estudante com transtorno do espectro autista nos anos iniciais do ensino fundamental: os desafios enfrentados pelo docente nesse processo. Revista diálogos e perspectivas em educação especial , v.5, n.2, p. 11-28, jul.-dez., 2018.

MILLAN, Ana Elisa; POSTALLI, Lidia Maria Marson. Ensino de Habilidades Rudimentares de Leitura para Alunos com Autismo. Rev. bras. educ. espec., Bauru, v. 25, n. 1, p. 133-154, mar. 2019.

NUNES, Débora R.P., SCHMIDT, Carlo. Educação Especial e Autismo: Das práticas baseadas em evidências à escola. Caderno de Pesquisa, São Paulo, v. 49, n 173, p. 84-104, jul/set. 2019.

OLIVEIRA, Eloiza de; MACHADO, Katia S. Adaptações curriculares: caminho para uma Educação Inclusiva. In: GLAT, Rosana. Educação Inclusiva: Cultura e Cotidiano Escolar. Rio de Janeiro: 7letras, 2013. p. 36 – 52.

REDIG, A. G.; MASCARO, C. A. A. C.; DUTRA, F. B. S. A formação continuada do professor para a inclusão e o plano educacional individualizado: uma estratégia formativa? Revista Diálogos e Perspectivas em Educação Especial , v.4, n. 1, p. 33-44, 2017 - Edição Especial




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.