ADAPTAÇÃO CURRICULAR COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO COM TEA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Fábia Daniela Schneider Lumertz, Lisiane Machado de Oliveira Menegotto

Resumo


Esse artigo tem o objetivo é relatar uma experiência de adaptação curricular como facilitadora da inclusão escolar de um aluno acometido de TEA. Este trabalho é de caráter qualitativo, do tipo estudo de caso. Segundo Yin (2001), o estudo de caso é apropriado às pesquisas educacionais, uma vez que permite estudar um caso único, mas que, mesmo que não seja generalizável, pode ajudar a entender outros casos similares. Para esta pesquisa foi selecionado o caso de um aluno com TEA de nível 2. O aluno tem 11 anos e encontra-se no quarto ano do ensino fundamental de uma escola da região metropolitana de Porto Alegre/RS. A partir deste estudo de caso foi possível perceber o quanto a adaptação curricular pode interferir positivamente na inclusão escolar de alunos com TEA. O currículo individualizado coloca a professora titular como sabedora do que, e como ensinar o seu aluno, de forma a colocar o ensino na direção do que o aluno precisa e consegue aprender nesta fase do seu desenvolvimento, evitando a ansiedade por parte da docente e o desperdício de potencial do aluno. Inclusão escolar malsucedida é uma violência com a criança e pode ser evitada com medidas como a adaptação curricular.


Palavras-chave


Transtorno do Espectro autista. Inclusão Escolar. Adaptação Curricular.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, RS, LIMA RC, CRENZEL G, ABRANCHES CD DE. Pediatria. Psiquiatria da Criança e do Adolescente. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2016 250 p.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual de diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-V. 5. ed. Porto Alegre: Artmed; 2014. 848 p.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Decreto n° 6949/2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, 2009.

CARVALHO, Rosita Edler. A escola inclusiva como a que remove barreiras para a aprendizagem e para a participação de todos. In: Construindo as trilhas para a Inclusão. Márcio Gomes (org.). 2.ed.- Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p.36-50.

COUTINHO, Karyne Dias. Psicopedagogia e a produção dos escolares contemporâneos. In: SARAIVA, Karla; SANTOS, Iolanda Montano dos. (Orgs.). Educação Contemporânea e Artes de governar. Canoas: Ed. ULBRA, 2010.

GUIJARRO, Rosa Blanco. La atención a la diversidad em el aula y las adaptaciones del currículo.In: COLL, Cézar; ULLASTRES, Alvaro Marchesi; PALACIOS, Jesús. Desarrollo psicológico y educación: v. 3. Transtornos del desarrollo y necessidades educativas especiales. Madrid: Editorial Alianza Psicologia, 1995.

HALPERN R. Transtorno do espectro autista. In: Manual de Pediatria do Desenvolvimento e Comportamento. Barueri, SP: Manole; 2015. p. 455–70.

KANDEL, Eric R.; Schwartz, James H.; Jessell, Thomas M.; Hudspeth, A. J. Princípios da Neurociência. 5ª edição. Editora: Artmed, 2014.

RIBEIRO TC, Casella CB, Polanczyk GV. Transtorno do Espectro do Autismo. In: Miotto E, Lucia M, Scaff M, editors. Neuropsicologia Clínica. 2. ed. Rio de Janeiro: Roca; 2017.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia Histórico-crítica: primeiras aproximações. 5 ed. Campinas-SP: Autores Associados, 1995.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos / Robert K. Yin;

trad. Daniel Grassi- 2.ed. -Porto Alegre: Bookman, 2001.

ZWAIGENBAUM L, BAUMAN ML, STONE WL, YIRMIYA N, ESTES A, HANSEN RL, et al. Early Identification of Autism Spectrum Disorder: Recommendations for Practice and Research. Pediatrics. 2015; 136:S10-40.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.