PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL: O CURRÍCULO FUNCIONAL NATURAL

Jéssica Sousa Mendes Vieira

Resumo


O artigo tem o objetivo de compreender as práticas pedagógicas desenvolvidas pela Fundação Catarinense de Educação Especial (FCEE) a partir da proposta do Currículo Funcional, na sala de Serviço Pedagógico Específico (SPE). No Currículo Funcional Natural (CFN) os professores têm diversas formas de se trabalhar com os jovens com deficiência intelectual e, isso requer estímulos socializadores diferenciados que irão auxiliá-los no processo de desenvolvimento cognitivo, e potencializar as possíveis aprendizagens melhorando suas condições de interação familiar e social. O CFN é uma proposta de ensino que visa à melhoria da qualidade de vida diária dos jovens. Nesse sentido, questiona-se: Qual a importância do CFN para desenvolver as habilidades dos estudantes com deficiência intelectual? Essa pesquisa se caracteriza como qualitativa e utilizou como instrumento de coleta de dados a entrevista com os professores que trabalham na FCEE no projeto do CFN. Diante dos dados analisados considera-se, que se a prática pedagógica do professor estiver pautada em uma concepção educacional que valorize as diferenças e a potencialidade de cada educando, o professor poderá oportunizar um entendimento mais globalizado, sem os fragmentos da educação tradicional, podendo levar o educando a entender as partes e o todo, as causas e os defeitos, fazendo-o refletir sobre sua responsabilidade no processo de transformação da realidade circundante.

Palavras-chave


Currículo Funcional Natural. Educação Especial. Deficiência Intelectual.

Texto completo:

PDF

Referências


BARIVIERA, D.N. Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE. Paraná, 2014.

BRASIL, SEED – Secretaria de Educação Especial. Série: Educação Inclusiva. Brasília: MEC, 2006.

BRASIL. SEED – Secretaria de Educação Especial. Série: Saberes e Práticas da Inclusão. MEC, 2006.

DALGALARRONDO, P (2000). Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais. Porto Alegre: Artmed.2000.

CUNHA, M.I. da. (org). Reflexões e práticas em pedagogia universitária. Campinas: Papirus, 2015

FERNANDES, ANA LUISA MACHADO. O papel da música no currículo funcional do ensino de ciências para alunos com autismo: formação continuada. Dissertação, Universidade Federal de Itajubá. Programa de pós-graduação no ensino de ciências, 2016.

CONEGLIAN, A. L. O. Análise do comportamento informacional de pósgraduandos surdos: subsídios teórico-práticos para a organização e representação do conhecimento. Marília, 2008. Disponível em:

+informacional+de+pos+graduandos +surdos.pdf.> Acesso em 10 de novembro de 2018

Gardner, H. (2006). Multiple intelligences: New Horizons. New York: Basic Books.

GIARDINETTO, A. R. S. B. Educação do aluno com autismo: um estudo circunstanciado da experiência escolar inclusiva e as contribuições do currículo funcional natural. Marília, 2009. 193 f. ; 30 cm.

LEBLANC, J.M. Enseñanza Funcional/Natural para la Generalización y Mantenimiento de las Habilidades para Niños com Autismo y Retardo Mental. Universidade de Kansas e Centro de Educação Especial Ann Sulivan, Peru.1982;

HONORA M. & FRIZANCO M. L.Esclarecendo as deficiências: Aspectos teóricos e práticos para contribuir com uma sociedade inclusiva. Ciranda Cultural, 2008.

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2011.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2013.

PINO, A. Ciência e Educação: a propósito do bicentenário do nascimento de Charles Darwin. Educ. Soc., Campinas, v. 30, n. 108, p. 845-866, out. 2000.

ROSSETO, E.: IACONO, J. P.; ZANETTI, P. SILVA. Pessoa com deficiência: Caracterização e formas de relacionamento - PEE (org). Pessoa com deficiência: aspectos teóricos e práticos. Cascavel: EDUNIOESTE, 2006. p. 105 – 140.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 4 ed. Rio de Janeiro: WVA, 2002.

SACRISTAN, G. O Currículo, uma reflexão sobre a prática. Trad. Ernani F. da F. Rosa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SUPLINO, M. Currículo funcional natural: guia prático para a educação na área do autismo e deficiência mental. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Coordenadoria Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência; Maceió: ASSISTA, 2005. p. 21 cm. (Coleção de Estudos e Pesquisa na Área da Deficiência; v. 11).

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.