MOBILIZAR AS EMOÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UM ENSAIO SOBRE EXPERIENCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

Daniel Granada

Resumo


O artigo aborda a importância da mobilização das emoções dos estudantes no processo de ensino e aprendizagem, visando oferecer possibilidades de desenvolvimentos de estratégias de adesão dos estudantes em propostas que valorizem suas experiências de vida pregressas. Nesse sentido, as experiências aqui relatadas se inserem em uma perspectiva de valorização das trajetórias de vida dos estudantes. Ao longo do texto, são apresentadas três experiências de prática docente que buscam mobilizar as emoções dos discentes. A primeira trata sobre os usos do corpo, a segunda se refere ao processo de gestação e parto e a terceira faz referência  ao uso de vídeo para se pensar a humanização. As experiências são baseadas em anos de prática docente e no uso de metodologias ativas de ensino e aprendizagem, fundamentadas em Paulo Freire.

Palavras-chave


Metodologias ativas. Emoções no processo de ensino e aprendizagem. Educação em saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

_______. Pedagogia da Autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

GARDNER, Howard. Estruturas da mente: a Teoria das Múltiplas Inteligências. Porto Alegre: Artes Médicas, c1994.

GOLEMAN, Daniel. Inteligência emocional: a teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente. Rio de janeiro: Objetiva, 1995.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2011.

MOURTHE JUNIOR, Carlos Alberto; LIMA, Valéria Vernaschi; PADILHA, Roberto de Queiroz. Integrando emoções e racionalidades para o desenvolvimento de competência nas metodologias ativas de aprendizagem. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 22, n. 65, p. 577-588, abr. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832018000200577&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 21 set. 2018.

WALSH, Catherine (Ed.). Pedagogías decoloniales: Prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo II. Quito: Ediciones Abya-Yala, 2017.

Filmes:

FURTADO, Jorge. Esta não é sua vida. Porto Alegre, 1991.

LE MAISTRE, Gilles. Le premier cri. França, 2007.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.