AGENDA 21 NA ESCOLA MUNICIPAL PRESIDENTE AFFONSO PENNA

Andressa Fassbinder dos Santos, Tamires Lopes Podewils, Alana das Neves Pedruzzi, Simone Grohs Freire

Resumo


Este artigo busca refletir sobre ações de Educação Ambiental realizadas com alunos da E.M.E.F. Presidente Affonso Penna localizada em Novo Hamburgo/RS. As ações resultam de projeto realizado no Curso de Especialização em Educação Ambiental da FURG/RS. O objetivo das ações foi ampliar a concepção dos alunos sobre o ambiente a fim de favorecer a reflexão sobre as relações com o meio. Como fundamentação foi utilizada a EA crítica (LOUREIRO, 2004), e da Agenda 21(BRASIL, 2000). A metodologia utilizada foi a pesquisa-ação-participante (REIS, 2005). Os resultados apontaram para transformações obtidas pela elaboração da Agenda 21 na escola parceira. Concluiu-se que a Agenda 21 é um dispositivo capaz de problematizar e resignificar o ambiente oportunizando que a Educação Ambiental seja desenvolvida de forma interdisciplinar.

Palavras-chave


Agenda 21 Escolar. Educação Ambiental Crítica. Meio Ambiente.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Formando Com-vida, Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida na Escola: construindo Agenda 21 na escola / Ministério da Educação, Ministério do Meio Ambiente. - 2. ed., rev. e ampl. – Brasília: MEC, Coordenação Geral de Educação Ambiental, 2007.

BRASIL. Lei federal nº 6938/81. Política nacional do meio ambiente – PNMA. 1981. Disponível em: . Acesso em: 31 de março de 2018.

BRASIL. Órgão Gestor da Política Nacional de Educação Ambiental. Programa Nacional de Formação de Educadoras(es) Ambientais: por um Brasil educado e educando ambientalmente para a sustentabilidade (ProFEA). Brasília: Série Documentos Técnicos, nº 8, 2006. Disponível em:

Acesso em: 13 de março de 2018.

BRASIL. Agenda 21 brasileira: resultado da consulta nacional / Comissão de Políticas de Desenvolvimento Sustentável e da Agenda 21 Nacional. 2. ed. Brasília : Ministério do Meio Ambiente, 2004. Disponível em: . Acesso em: 13 de março de 2018.

BRASIL. Agenda 21 brasileira - Bases para Discussão. Comissão De Políticas de Desenvolvimento Sustentável e da Agenda 21 Nacional. MMA/PNUD Brasília, 2000.

Disponível em: . Acesso em: 14 de março de 2018.

COUSIN, C. S. Pertencimento Ambiental. Rio Grande: Universidade Federal do Rio Grande, FURG/SeaD, 2010.

DEMO, P. Educar pela Pesquisa. 10 ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2015.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

GOMES, R. W. Por uma educação ambiental crítica/emancipatória: Dialogando com alunos de uma escola privada no Município de Rio Grande/RS. Ciência e Natura, v. 36 n. 3 set-dez. 2014, p. 430 – 440. Disponível em: . Acesso em 31 de março de 2018.

GUIMARÃES, M. A formação de educadores ambientais. Campinas: Papirus, 2004.

LEFF, E. A complexidade ambiental. São Paulo: Cortez, 2003.

LOUREIRO, C. F. B. Premissas para uma Educação Ambiental transformadora. Ambiente e Educação, Rio Grande, 2003a. Disponível em: . Acesso em: 13 de março de 2018.

LOUREIRO, C.F.B. Cidadania e Meio Ambiente. Salvador: Centro de Recursos Ambientais, 2003b. Disponível em: .

Acesso em: 02 de julho de 2018.

LOUREIRO, C. F. B . Trajetória e fundamentos da educação ambiental. São Paulo: Cortez, 2004.

LOUREIRO, C. F. B . Complexidade e Dialética: contribuições a práxis política e emancipatória em educação ambiental. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 27, n. 94, p. 131-152, jan./abr. 2006. Disponível em: .

Acesso em: 14 de março de 2018.

LOUREIRO, C. F. B., LAYRARGUES, P. P. Ecologia política, justiça e educação ambiental crítica: perspectivas de aliança contra-hegemônica Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 11 n. 1, p. 53-71, jan./abr. 2013.

MOREIRA, H. CALEFFE. L. G. Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. 2. ed. São Paulo: DP&A, 2008.

REIS, M. F. C. T. Pesquisa-ação: compartilhando saberes. Pesquisa e ação educativa ambiental. In: FERRARO JR., L. A. (Org.). Encontros e caminhos: formação de educadoras (es) ambientais e coletivo educadores. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005. Disponível em: . Acesso em 14 de março de 2018.

VIEZZER, M. Pesquisa-ação-participante (PAP): origens e avanços. In: FERRARO JÚNIOR, Luiz Antonio (Org.). Encontros e Caminhos: formação de educadores ambientais e coletivos educadores. Brasília: MMA, 2005. P. 277-294. Disponível em: . Acesso em 14 de março de 2018.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.