O VALOR FORMATIVO DA ARTE DA RETÓRICA PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO DE FORMADORES

Rosâni Kucarz da Cunha

Resumo


O artigo tem por objetivo ressaltar o valor formativo da arte retórica na formação de formadores, a partir da problemática que envolve a contribuição do valor formativo da aplicação da arte retórica no processo de formação cultural, frente ao avanço da precariedade da linguagem verbal e escrita pela falta do domínio da língua materna. O artigo se constitui na apresentação da arte retórica contemplada em alguns dos temas discutidos pelos expoentes do movimento sofista, Protágoras e Isócrates, como também na crítica socrático-platônica inserida nos diálogos de Platão. Os textos de Protágoras e Isócrates estão mediados pelos comentadores contemporâneos, Werner, Pessanha, Euzebio e Curtius. Inclui-se na reflexão sobre a importância do valor formativo da arte retórica a crítica nietzschiana direcionada aos estabelecimentos de ensino, na Alemanha do século XIX. No horizonte desses referenciais teóricos, a natureza dessa investigação adentra-se no processo metodológico de análise interpretativa dos pressupostos teóricos explorados, cujo resultado da investigação consiste no efeito inspirador da arte retórica no processo de formação, inclusive para os formadores. Outro resultado da investigação é explorar a sofística de forma distanciada da perspectiva que, pejorativamente, aponta a arte da retórica como unicamente a arte da persuasão. Por fim, com apoio da crítica nietzschiana à educação do século XIX, o artigo sugere a arte retórica como inspiração para, a partir dela, ressignificar a importância da língua materna para o enfrentamento dos formadores diante das reformas educacionais que tendem a enfraquecer a formação de uma cultura emancipadora para o século XXI.

O artigo tem por objetivo ressaltar o valor formativo da arte retórica na formação de formadores, a partir da problemática que envolve a contribuição do valor formativo da aplicação da arte retórica no processo de formação cultural, frente ao avanço da precariedade da linguagem verbal e escrita pela falta do domínio da língua materna. O artigo se constitui na apresentação da arte retórica contemplada em alguns dos temas discutidos pelos expoentes do movimento sofista, Protágoras e Isócrates, como também na crítica socrático-platônica inserida nos diálogos de Platão. Os textos de Protágoras e Isócrates estão mediados pelos comentadores contemporâneos, Werner, Pessanha, Euzebio e Curtius. Inclui-se na reflexão sobre a importância do valor formativo da arte retórica a crítica nietzschiana direcionada aos estabelecimentos de ensino, na Alemanha do século XIX. No horizonte desses referenciais teóricos, a natureza dessa investigação adentra-se no processo metodológico de análise interpretativa dos pressupostos teóricos explorados, cujo resultado da investigação consiste no efeito inspirador da arte retórica no processo de formação, inclusive para os formadores. Outro resultado da investigação é explorar a sofística de forma distanciada da perspectiva que, pejorativamente, aponta a arte da retórica como unicamente a arte da persuasão. Por fim, com apoio da crítica nietzschiana à educação do século XIX, o artigo sugere a arte retórica como inspiração para, a partir dela, ressignificar a importância da língua materna para o enfrentamento dos formadores diante das reformas educacionais que tendem a enfraquecer a formação de uma cultura emancipadora para o século XXI.


Palavras-chave


Retórica. Educação. Formação Humana.

Texto completo:

PDF

Referências


CONY, C. H. Mal da América Latina é a retórica. In: Folha de São Paulo. 2017. Disponível em: . Acesso em: 29 ago. 2018.

CURTIUS, E. R. Literatura Europeia e Idade Média Latina. Trad. Teodoro Cabral. São Paulo: Edusp, 1996.

EUZEBIO, M. S. Isócrates: a filosofia na penumbra. São Paulo: Biblioteca Feusp, 2000.

NIETZSCHE, F. Escritos sobre educação: Sobre o futuro dos nossos estabelecimentos de ensino. Trad. Noéli Correia de Melo Sobrinho. 6 ed. Rio de Janeiro: PUC-Rio; São Paulo: Ed. Loyola, 2012.

PESSANHA, J. A. M. Platão as várias faces do amor. In: NOVAES, A. (Org.). O sentido da paixão. São Paulo: Companhia das Letras, Funarte, 1987.

PLATÃO. Diálogos. Trad. Carlos Alberto Nunes. 2 ed. Belém: Edufpa, 2002.

WERNER, J. Paideia: a formação do homem grego. Trad. Arthur M. Parreira. 6. ed. São Paulo: Editora WMF, 2013.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.