A NOÇÃO DE LUGAR NO CONTEXTO DA PESCA ARTESANAL EXERCIDA POR PESCADORAS EMBARCADAS NA LAGOA DOS PATOS E LAGOA MIRIM: NOTAS A PARTIR DE UMA REFLEXÃO DA EA SOBRE O TEMA

Liza Bilhalva, Gianpaolo Adomilli

Resumo


Esse artigo objetiva apresentar e trazer uma reflexão sobre o conceito de lugar para a Educação Ambiental, seus sentidos, significados, circunstancialidades e corporeidades, para então articular com o tema da pesca artesanal realizada por pescadoras embarcadas da Lagoa Mirim e do estuário da Lagoa dos Patos/RS. Inicialmente buscamos apresentar alguns apontamentos teóricos em torno do tema lugar, enquanto contraposição a noção de espaço, ou seja, enquanto ambiente vivido e sua relação com a educação ambiental.  Em um segundo momento, trazemos essa perspectiva para dentro do universo das pescadoras embarcadas, para então articularmos também com o conceito de territorialidade enquanto forma singular de viver e habitar o ambienta marítimo costeiro.

Palavras-chave


Lugar; Pescadoras Embarcadas; Educação Ambiental.

Texto completo:

PDF

Referências


ADOMILLI, Gianpaolo Knoller. Trabalho, meio ambiente e conflito: um estudo antropológico sobre a construção da identidade social dos pescadores do Parque nacional da Lagoa do Peixe – RS. Dissertação [Mestrado], Porto Alegre: UFRGS 2003.

ADOMILLI, Gianpaolo Knoller. Terra e Mar, do viver e do trabalhar na pesca marítima: tempo, espaço e ambiente junto a pescadores de São Jose do Norte – RS. Tese [Doutorado]. Porto Alegre: UFRGS 2007.

ADOMILLI, Gianpaolo; TEMPAS, Martin; LOPES, Raizza. Notas teórico-metodológicas sobre a pesquisa etnográfica na área de educação ambiental. Rev. Eletrônica Mestrado Educação Ambiental. Rio Grande, v. 34, n. 3, p. 226-244, set./dez. 2017.

CARVALHO, Isabel. (Orgs.). Educação Ambiental – pesquisas e desafios. PortoAlegre. Artmed, 2005.

CHAVEIRO. Eguimar. Corporeidade e lugar: elos de produção da existência. In: MARANDOLA Jr., Eduardo; HOLZER, Werther; OLIVEIRA, Lívia de. Qual o espaço do lugar? Geografia, epistemologia, fenomenologia. São Paulo: Perspectiva, 2012.

GERBER, Rose Mary. As Mulheres e o Mar. Pescadoras embarcadas no litoral de Santa Catarina, sul do Brasil. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2015

GRÜN, Mauro. A importância dos lugares na Educação Ambiental. In: Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. Rio Grande: Universidade Federal do Rio Grande, volume especial, dez. 2008.

HEIDEGGER, Martin. Poetry, Language, Trought. New York: Harper & Row publishers, 1971.

INGOLD, Tim. Being alive: essays on movement, knowledge and description.Londres & Nova York: Routledge, 2011.

LATOUR, Bruno. Jamais Fomos Modernos. Rio de Janeiro: Ed.34, 2009.

LEFF, Enrique. Saber Ambiental. Petrópolis, Vozes, 343 p., 2001.

LITTLE, Paul E. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Anuário Antropológico, Rio de Janeiro, n 3. 2005.

MARANDOLA Junior., Eduardo; HOLZER, Werther; OLIVEIRA, Lívia de. Qual o espaço do lugar? Geografia, epistemologia, fenomenologia. São Paulo: Perspectiva, 2012.

MELLO. João Baptista de. O triunfo do lugar sobre o espaço. In: MARANDOLA Jr., Eduardo; HOLZER, Werther; OLIVEIRA, Lívia de. Qual o espaço do lugar? Geografia, epistemologia, fenomenologia. São Paulo: Perspectiva, 2012.

MERLEAU-PONTY, Maurice. O Primado da Percepção e suas Consequencias Filosóficas. Campinas: Papirus, 1990.

NETO, José Colaço Dias. “Pescador que é pescador enfrenta até o IBAMA!”: notas para etnografia de um conflito na Lagoa Feia. In: ADOMILLI, Gianpaolo K. et al (orgs). Povos e Coletivos pesqueiros. Estudos etnográficos e perspectivas socioantropólogicas sobre o viver e o trabalhar. Ed. da Furg, p. 205-220, 2012.

OLIVEIRA, Livia de. O sentido de lugar. In: MARANDOLA Jr., Eduardo; HOLZER, Werther; OLIVEIRA, Lívia de. Qual o espaço do lugar? Geografia, epistemologia, fenomenologia. São Paulo: Perspectiva, 2012.

PIEDRAS, Sérgio Renato N., et al. Caracterização da atividade pesqueira na Lagoa Mirim, Rio Grande do Sul, R. Bras. Agrociência, Pelotas, v.18 n. 2-4, p.107-116 , abr-jun, 2012.

PIEVE, Stella, et al. A dinâmica do conhecimento ecológico local: um estudo etnoecológicosober a resiliencia dos pescadores artesanais da Lagoa Mirim, Rio Grande do Sul, Brasil. In: ADOMILLI, Gianpaolo K., et. al (orgs). Povos e Coletivos pesqueiros. Estudos etnográficos e perspectivas socioantropólogicas sobre o viver e o trabalhar. Ed. da Furg, p. 205-220, 2012.

REIGOTA, Marcos. O que é educação ambiental. Ed. Brasiliense, 63 p, 1994.

REIGOTA, Marcos. A Educação Ambiental frente aos desafios apresentados pelos discursos contemporâneos sobre a natureza. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.36, n.2, p. 539-553, maio/ago. 2010.

RELPH. Edward. Reflexões sobre a emergência, aspectos e essência do lugar. In: MARANDOLA Jr., Eduardo; HOLZER, Werther; OLIVEIRA, Lívia de. Qual o espaço do lugar? Geografia, epistemologia, fenomenologia. São Paulo: Perspectiva, 2012.

ROCHA, Gilmar. TOSTA, Sandra Pereira. Antropologia & Educação. Belo Horizonte: Autêntica, Coleção Temas & Educação (10). 2009.

SÁ, Lais Mourão. Pertencimento. In: JR, Luis Antônio Ferraro (org.). Encontros e caminhos: formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores. Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, 2005, v. 01. p. 245 - 255.

SANTOS, Milton. O retorno do territorio. En: OSAL : Observatório Social de América Latina. Año 6 no. 16 (jun. 2005- ). Buenos Aires : CLACSO, 2005

SAUVÉ, Lucie. Uma cartografia das correntes em Educação Ambiental. In: SATO, Michele.; CARVALHO, Isabel (Orgs.). Educação Ambiental - pesquisas e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005.

STEIL, Carlos Alberto & CARVALHO, Isabel. Epistemologias ecológicas: Delimitando um conceito. Mana 20 (1): 163-183, 2014.

SCHWOCHOW, Rosane & ZANBONI, Ademilson J. O estuário da Lagoa dos Patos: um exemplo para o ensino de ecologia no nível médio. Cadernos de Ecologia Aquática 2 (2):13-27, ago - dez 2007.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.