RACISMO ESTRUTURANTE: AS VESTES DO TECIDO SOCIAL BRASILEIRO

Andressa Farias Barrios, Marcio Rodrigo Vale Caetano

Resumo


Este artigo busca refletir o racismo estruturante, assumindo que existe uma estrutura histórica social que prejudica cotidianamente um determinado grupo de pessoas em razão do seu pertencimento racial, visto que ele é um elemento que integra as organizações econômicas, políticas, sociais, educacionais e institucionais, são traços de um processo de subalternização do povo negro, baseado na manutenção de privilégios das classes dominante (branquitude). Assim, é necessário para o entendimento da questão racial no Brasil, pautar o diálogo por meio de uma teoria crítica, numa perspectiva histórica que seja reveladora de como se constituiu a formação econômica, social, política e cultural e a ação política dos sujeitos com suas condições específicas nesse país, do que representou o escravismo, a abolição inacabada e o que foi reeditado na formação social.

Palavras-chave


Racismo Estruturante; Racismo Sistêmico; Negritudes.

Texto completo:

PDF

Referências


BONILLA. SILVA, Eduardo. Racism without racists: color-blind racism and the persistence of racial inequality in the United States. Nova York, Routledge, 2006.

CAETANO, M. Performatividades reguladas: narrativas, heteronormatividade e educação. Curitiba: Appris, 2016.

CARNEIRO, A. S. A Construção do Outro como Não-Ser como Fundamento do ser. Tese de Doutorado Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de São Paulo, 2005.

CARNEIRO, A. S. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

CONCEIÇÃO, Ísis Aparecida. Racismo estrutural no Brasil e penas alternativas: os limites dos direitos humanos acríticos. Curitiba: Juruá, 2010.

Collins, Patrícia Hill. Aprendendo com a Outsider Within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Estado e Sociedade, v. 31, n.1, 2016.

EVARISTO, Conceição. “Nossa EscreVivência”. Disponível em: < http://nossaescrevivencia.blogspot.com/2012/08/da-grafia-desenho-de-minha-mae-um-dos.html> Acesso em 12 de julho de 2017.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Bahia: Editora Edufba, 2008.

GILROY, P. O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. Rio de Janeiro: Editora 34, 2001.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo. Raça e os Estudos de Relações Raciais no Brasil. Novos Estudos CEBRAP, n54, julho 1999. P.147-156.

HASENBALG, Carlos. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil, Graal, Rio de Janeiro, 1979

HOOKS, Bell. “Intelectuais Negras”. Estudos Feministas, V. 3, n. 2, 1995.

HOOKS, Bell. Vivendo de amor. In: WERNECK, Jurema (org.) O livro da saúde das mulheres negras: nossos passos vêm de longe. 2 ed. Rio de Janeiro: Pallas/ Criola, 2006.

MOORE, C. Prefácio. Discurso sobre a Negritude. Belo Horizante: Nandyala, p,7–38, 2010.

MUNANGA, Kabengele; GOMES, Nilma Lino. O negro no Brasil de hoje. São Paulo: Global Editora : Ação Educativa, 2006.

MUNANGA, Kabengele; GOMES, Nilma Lino. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil : identidade nacional versus identidade negra. Belo Horizonte, MG: Autêntica Editora, 2008.

MOURA, Clovis. Dialética Radical Do Brasil Negro. São Paulo: Editora Anita, 1994.

MOURA, Clovis. A sociologia posta em questão. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1978.

MOURA, Clovis. Sociologia do negro brasileiro. São Paulo: Ática, 1988.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro. São Paulo: Editora Perspectiva, 2017.

OLIVEIRA, Dennis de. Racismo no Brasil: estratégias políticas de combate ao racismo na sociedade capitalista contemporânea. São Paulo: Unegro, 2000.

SANSONE, Lívio, Negritude sem etnicidade. Salvador EDUFBA; Rio de Janeiro: Pallas, 2003.

VAN DIJK, Teun A. Discurso e poder. São Paulo: Contexto, 2008.

VAN DIJK, Teun A. Racismo y discurso na América Latina. São Paulo: Contexto, 2008.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA,T.T. (Org.) Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

YOUNG, Iris Marion. Taking the Basic Structure Seriously. In Perspectives on Politics, 4:1:91-97 Cambridge Journal University Press, 2006.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.