A ARQUEOLOGIA E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO LICENCIAMENTO AMBIENTAL

Gabriel Loterio Marques, Horacio Rodrigo Souza Rodrigues, Caio Floriano dos Santos

Resumo


O presente artigo realiza uma discussão sobre o atual modelo de Licenciamento Ambiental brasileiro. Nele a prática obrigatória do fazer arqueológico e da educação ambiental foram problematizadas dentro desse processo. Para tanto, foi realizado um levantamento bibliográfico sobre a temática. Como resultado identificamos que o processo de licenciamento se direciona pela lógica capitalista de mercado, em que estão presentes a arqueologia de mercado e a educação ambiental. O que torna necessário uma ampla e profunda discussão sobre o licenciamento ambiental.

Palavras-chave


Educação Ambiental; Justiça Ambiental; Arqueologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, Henri. Disputas cognitivas e exercício da capacidade crítica: o caso dos conflitos ambientais no Brasil. In: Sociologias. ano 16, n. 35. 2014. p. 85 - 105.

ACSELRAD, Henri. As práticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais. In: ACSELRAD, Henri (Org.). Conflitos Ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume- Dumará: Fundação Heinrich Böll. 2004a. p. 13 - 34.

ACSELRAD, Henri; MELLO, Cecília Campello do A.; BEZERRA, Gustavo das Neves. O que é Justiça Ambiental. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

BRASIL. Decreto n° 25, de 30 de nov. de 1937. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del0025.htm. Acesso em: 23 de set. 2018.

BRASIL. Decreto n° 3.924, de 26 de jul. de 1961. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1950-1969/L3924.htm. Acesso em: 23 de set. 2018.

BRASIL. Decreto nº 6.938, de 31 de ago de 1981. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6938.htm. Acesso em: 23 de set. 2018.

BRASIL. Decreto nº 8.437, de 22 de abr de 2015. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Decreto/D8437.htm. Acesso em: 23 de set. 2018.

BRASIL. Decreto n° 13.653, de 18 de abr. de 2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/Lei/L13653.htm. Acesso em: 23 de set. 2018.

BRASIL. Instrução Normativa - IBAMA n°02, de 27 de março de 2012. Disponível em:

https://www.ibama.gov.br/licenciamento/.../arquivo.php?cod...in_02_2012. Acesso em: 23 de set. 2018.

BRASIL. Instrução Normativa IPHAN Nº 001 de 25 de mar de 2015. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Instru%C3%A7%C3%A3o%20normativa.pdf. Acesso em: 23 de set. 2018.

BRASIL. Lei Complementar nº 140, de 08 de dez de 2011. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LCP/Lcp140.htm. Acesso em: 23 de set. 2018.

BRASIL. Portaria IPHAN nº 07, de 01 de dez de 1988. Disponível em:

http://portal.iphan.gov.br/uploads/legislacao/Portaria_n_007_de_1_de_dezembro_de_19

pdf. Acesso em: 23 de set. 2018.

BRASIL. Portaria IPHAN nº 230, de 17 de dez de 2002. Disponível em:

http://portal.iphan.gov.br/uploads/legislacao/Portaria_n_230_de_17_de_dezembro_de_2

pdf. Acesso em: 23 de set. 2018.

BRASIL. Resolução CONAMA - IBAMA nº 001, de 23 de jan de 1986. Disponível em: https://www.ibama.gov.br/sophia/cnia/legislacao/RSO00186.htm. Acesso em: 23 de set. 2018.

BRASIL. Resolução CONAMA - IBAMA n°237, de 19 de dez de 1997. Disponível em: http://www2.mma.gov.br/port/conama/res/res97/res23797.html. Acesso em: 23 de set. 2018.

CALDARELLI, Solange Bezerra et al. Arqueologia e licenciamento ambiental: estratégias para a atuação profissional na 1ª. década do século XXI. Disponível em: http://www.scientiaconsultoria.com.br/site2009/pdf/estudos/Arqueologia_e_%20licenciamento_ambiental.pdf . Acesso em 23 de set. 2018.

COMISSÃO PASTORAL DA TERRA. Cadernos de Conflitos no Campo 2017. Centro de Documentações Dom Tomás Balduíno.Goiânia. 2018.

BRONZ, Deborah. Empreendimentos e Empreendedores: formas de gestão, classificações e conflitos a partir do licenciamento ambiental, Brasil, Século XXI. Tese de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Museu Nacional/Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2011. 504 p. Disponível em: http://www.observatoriodopresal.com.br/wp-content/uploads/2011/07/Empreendimentos-e-empreendedores_Tese_Deborah.pdf.

CALLIPO, Flávio. O papel da arqueologia no licenciamento ambiental:Retrocessos à proteção do patrimônio arqueológico?. 2017. Disponível em: https://www.jota.info/opiniao-e-analise/artigos/o-papel-da-arqueologia-no-licenciamento-ambiental-06062017. Acesso em 23 de set. 2018.

DIAS, Eugênia Antunes. Desculpe o transtorno, estamos em obras para melhor servi-lo! A Educação Ambiental no contexto da apropriação privada da natureza no licenciamento ambiental. Tese do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande. Rio Grande 2014. 254 p.

FASE; ETTERN/ IPPUR. Relatório-síntese: Projeto Avaliação de Equidade Ambiental como instrumento de democratização dos procedimentos de avaliação de impacto de projetos de desenvolvimento. 2011. 172 p.

GNECCO, Cristobal; DIAS, Adriana Schimidt. Sobre Arqueologia de Contrato. Revista de Arqueologia, [S.l.], v. 28, n. 2, p. 03-19, dez. 2015. ISSN 1982-1999. Disponível em: https://www.revista.sabnet.com.br/revista/index.php/SAB/article/view/425. Acesso em: 23 set. 2018.

MONTALVÃO, Ana Carolina Motta Rocha; GONÇALVES, Yacy-Ara Froner. A Gestão do Patrimônio Arqueológico no Âmbito do Licenciamento Ambiental. In: IV Seminário de Preservação do Patrimônio Arqueológico, 2016, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins, 2016. p.11 - 34. Disponível em: http://site.mast.br/hotsite_anais_ivsppa/pdf/01/02%20Artigo%20Ana%20Montalvao%20SPPA%20_2_.pdf. Acesso em 23 de set. 2018

REIS, José Alberione dos. "Não pensa, muito que dói": um palimpsesto sobre teoria na arqueologia brasileira. Edipucrs, Porto Alegre, 2010.

SALA, Oscar. O papel da ciência na sociedade. IF-USP, 1974. Disponível eim: http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/132677. Acesso em 23 de set. 2018

SANTOS, Caio Floriano dos; GONÇALVES, Leonardo Dorneles; MACHADO, Carlos Roberto da Silva. Educação ambiental para justiça ambiental: dando mais uns passos. REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, [S.l.], v. 32, n. 1, p. 189-208, ago. 2015. ISSN 1517-1256. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/5016/3268. Acesso em: 22 set. 2018. doi: https://doi.org/10.14295/remea.v32i1.5016.

SANTOS, Caio Floriano dos Santos. O porto e a desigualdade ambiental em Rio Grande (RS/Brasil): a educação ambiental na “gestão empresarial dos riscos sociais” e “social do território”. Tese do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande. Rio Grande 2016. 256 p.

SERRÃO, Mônica Armond; MENDONÇA, Gilberto Moraes. Educação Ambiental no licenciamento. In: FERRARO, JUNIOR, L. A. Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras(es) Ambientais e Coletivos Educadores. Vol. 3. 2014.p. 427- 440.

SVAMPA, Maristella. «Consenso de los Commodities» y lenguajes de valoración en América Latina. In: Nueva Sociedad. n. 244. 2013. p. 30-46.

UNESCO. Cais do Valongo é o novo sítio brasileiro inscrito na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO. Brasília, DF, 2017. Disponível em http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/about-this-office/single-view/news/valongo_wharf_is_the_new_brazilian_site_inscribed_on_unesco/. Acesso em: 23 de set. 2018.

WICHERS, Camila A. de Moraes. ZANETTINI, Paulo. TEGA, Glória, “Entre seres e coisas:a aplicação de tecnologias 3D como ponte entre patrimônio arqueológico e sociedade”. Vestígios – Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica, Belo Horizonte - Minas Gerais, v. 11, n. 1, p.81-106, jan - jun. 2017. Disponível em: https://seer.ufmg.br/index.php/vestigios/article/view/10552/8093) Acesso em: 23 de set. 2018.

WITTMANN, A.S. Marcus. Entre cientistas, burocracias e uma coisa chamada patrimônio : uma etnografia da prática arqueológica no licenciamento ambiental. 2018. 157 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/180574. Acesso em: 23 de set. 2018.

ZHOURI, Andréa. Introdução. In: ZHOURI, A. (Org.). Mineração, violências e resistências: um campo aberto à produção do conhecimento no Brasil. Marabá: Iguana Editorial; ABA. 2018. p. 7-25.

ZHOURI, Andréa; LASCHEFSKI, Klemens; PAIVA, Angela. Uma sociologia do licenciamento ambiental: o caso das Hidrelétricas em Minas Gerais. In: ZHOURI, Andréa; LASCHEFSKI, Klemens; PEREIRA, Doralice Barros (Orgs.). A insustentável leveza da política ambiental: desenvolvimento e conflitos socioambientais. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. p. 89-116.

ZHOURI, Andréa; OLIVEIRA, Raquel; MOTTA, Luana. Deslocamentos múltiplos e a compulsoriedade do desenvolvimento: urbanização e barragens em face aos lugares. In: XXXI Congresso Internacional da Associação Latinoamericana de Estudos (LASA). 2013. p. 1-27.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.