MÃOS LIMPINHAS – UM PROJETO EDUCATIVO PARA A SAÚDE PUBLICA

Elizangela TASCHETTO,, Roger V ZANANDRÉA,, Marina Patricio de ARRUDA

Resumo


O propósito dessa pesquisa é ampliar a discussão sobre a Promoção de Saúde cujo paradigma focaliza não só o biológico, mas o ser humano como uma unidade complexa biopsicossocial e cultural, sendo este um dos fundamentos da educação médica do Curso de Medicina da Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC).  Esta abordagem social foi baseada na pesquisação, cujo método de pesquisa agrega diversas técnicas de pesquisa social, com as quais se estabelece uma estrutura coletiva, participativa e ativa no nível da captação da informação, e requer a participação dos envolvidos no problema investigado. Para a educação médica, fica o alerta de que ensino e pesquisa são partes integrantes do movimento de transformação da saúde da população. A educação em saúde é capaz de mudar consciência e hábitos, a partir do relacionamento e da troca de experiências entre estudantes e comunidade. Neste sentido, é preciso compreender indivíduo e sociedade de forma associada e estreitamente vinculados à práticas sociais  que se estabelecem.  


Texto completo:

PDF

Referências


Forattini, O.P. Ecologia, epidemiologia e sociedade. São Paulo: Artes Médicas, Editora da Universidade de São Paulo-EDUSP, 1992. 529p.

Ferreira Glauco Rogério, Andrade Carlos Fernando Salgueirosa. Alguns aspectos socioeconômicos relacionados a parasitoses intestinais e avaliação de uma intervenção educativa em escolares de Estiva Gerbi, SP. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [serial on the Internet]. 2005 Oct [cited 2010 Nov 04] ; 38(5): 402-405. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822005000500008&lng=en. doi: 10.1590/S0037-86822005000500008.

Pupulin ART, Guilherme ALF, Araujo SM, Falavigna DLM, Dias MLGG, Oliveira NLB, Oliveira 24. RM. Envolvimento de acadêmicos em programa integrado visando a melhoria nas condições de vida de comunidades. Acta Scientiarum 23:725-729, 2001.

Ogliari TCC, Passos JT. Enteroparasitos em estudantes de quintas séries do Colégio Estadual de Terra 21. Boa, Campina Grande do Sul, Paraná (sul do Brasil). Acta Biológica Paranaense 31: 65-70, 2002.

Ludwig, K.M.; Frei, F.; Alvares Filho, F; Ribeiro-Paes, J.T. 1999. Correlação entre condições de saneamento básico e parasitoses intestinais na população de Assis, Estado de São Paulo. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., 32(5): 547-555.

Santos CS et al. Inquérito parasitológico pelo exame de fezes em crianças pertencentes a creches no Rio de Janeiro. J. Pediatr., 56:97-100, 1984.

.Marinho MS, Silva GB, Diele CA, Carvalho JB. Prevalência de enteroparasitoses em escolares da rede pública de Seropédica, município do estado do Rio de Janeiro. RBAC, vol. 34(4):195-196, 2002.

Uchoa CMA et al. Parasitoses intestinais: prevalência em creches comunitárias da cidade de Niterói, Rio de Janeiro – Brasil. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 60(2):97-101, 2001.

Quadros RM, Marques S, Arruda AAR, Delfes PSWR, Medeiros IAA. Parasitasintestinais em centros de educação infantil municipal de Lages, SC, Brasil. Rev. Soc.Bras. Med. Trop. vol.37, no.5 Uberaba, Set/Out 2004.

Santos MG, Massara Cl, Morais GS. Conhecimentos Sobre Helmintoses Intestinais De Crianças De Uma Escola De Minas Gerais, Revista Brasileira de Programa de Ciências, 42:188-194, 1990

Toscani, Nadima Vieira et al. Desenvolvimento e análise de jogo educativo para crianças visando à prevenção de doenças parasitológicas. Interface (Botucatu) [online]. 2007, vol.11, n.22, pp. 281-294. ISSN 1414-3283.

Arruda, Marina Patrício; Araujo, Aliete Perin; Locks, Geraldo Augusto and Pagliosa, Fernando Luiz. Educação permanente: uma estratégia metodológica para os professores da saúde. Rev. bras. educ. med. [online]. 2008, vol.32, n.4, pp. 518-524. ISSN 0100-5502.

Leff E. Pensamento sociológico, racionalidade ambiental e transformações do conhecimento, pp. 109-157. In E Leff. Epistemologia ambiental. Cortez Editora, São Paulo, 2000.

Minayo MCS 1997. Pós-graduação em saúde coletiva: um projeto em construção. Ciência e Saúde Coletiva 2(1/2):53-71.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9. ed. (rev. e ampl.) São Paulo: Hucitec, 2006.

Siqueira, R. V.; Fiorini, J.E. 1999. Conhecimentos e procedimentos de crianças em idade escolar frente a parasitoses intestinais. Rev. Un. Alfenas, Alfenas, 5:215-220.

Gohn, Maria da Glória. Educação Não – Formal e cultura Política. São Paul, Cortez, 1999.

Munhoz, R.A. R..; Faintuch, M.B.; Valtorta, A. 1990. Enteroparasitoses em pessoal de nutrição de um hospital geral: incidência e valorda repetição dos exames. Rev. Hosp. Clín. Fac.Med. S. Paulo, v.45, n.2, p.57-60.

Morin, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo, Cortez, Brasilia, DF: UNESCO, 2003.

Leavell, S. & Clarck, E.G. Medicina Preventiva. SP: McGraw-Hill, 1976.

Teixeira, C. O Futuro da Prevenção, Salvador: Casa da Qualidade. 2001




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.