A MORTE, A ATIVIDADE CEMITERIAL E O MEIO AMBIENTE

​André Carlos Betiatto, Fernanda Xavier de Souza, Maria Celia Bini

Resumo


Esse artigo tem por objetivo problematizar a atividade cemiterial no Cemitério Cruz das Almas em Lages/SC,e suas consequências ao meio ambiente. Espera-se ainda contribuir para a ampliação da discussão sobre o tema, suscitando novos olhares sobre a interação homem e meio, mesmo após morte. O estudo partiu de uma revisão de literatura, com a pesquisa de artigos usando a ferramenta Google Acadêmico®, para conceituações dos temas. A palavra de busca utilizada foi “cemitério” em combinação com as seguintes palavras “água” e “meio ambiente”, para fundamentação das questões emocionais, luto e morte, assim como a legislação, buscou-se elucidar através de artigos e livros contribuindo com o olhar multidisciplinar. O período de busca foi entre o ano 2000 e 2015. Fez-se então uma seleção dentre esses artigos através da leitura dos resumos, para selecionar aqueles que foram utilizados no texto. A tabela abaixo mostra os títulos selecionados conforme ordem do resultado de pesquisa no Google Acadêmico®. A atividade cemiterial é um assunto que precisa ser avaliada de múltiplos ângulos, em um esforço interdisciplinar. Não se pode levar em conta apenas dados científicos acerca do potencial de poluição e contaminação dos cemitérios e desprezar questões emocionais, culturais e religiosas que envolvem o tema. Em relação ao cemitério Cruz das Almas em Lages/SC, sugere-se novos estudos buscando revelar seu contexto histórico e social. Além disso, estudos geológicos e hidrológicos do local devem ser efetuados para analisar se é viável que o cemitério continue recebendo novos cadáveres, frente ao potencial risco ao meio ambiente.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. M. D.; MACÊDO, J. A. B. D. Parâmetros físico-químicos de caracterização da contaminação do lençol freático por necrochorume. SEMINÁRIO DE GESTÃO AMBIENTAL, v. 1, 2005.

ARIÈS, Philippe. O homem diante da morte. 1. ed. São Paulo: Unesp, 2014.

BARROS, Y. J.; ROMANÓ, E. N. D. L.; LUCIANO, P. R. Teores de metais pesados e caracterização mineralógica de solos do Cemitério Municipal de Santa Cândida, Curitiba (PR). Revista Brasileira de Ciência do solo, v. 32, n. 4, p. 1763-1773, 2008.

BOWLBY, John. Formação e rompimento dos laços afetivos. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

CAMPOS, A. P. S. Avaliação do potencial de poluição no solo e nas águas subterrâneas decorrentes da atividade cemiterial. 2007. Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública. Departamento de Saúde Ambiental

COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito civil: parte geral. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2013. 1 v.

CYMBALISTA, R. Discursos e Posturas. A legislação paulista face ao desafio da criação dos cemitérios periféricos no século XIX. Anais: Encontros Nacionais da ANPUR, v. 10, 2013.

DA CRUZ, N. J. T. et al. Cemitérios, Crematórios e Novas Tecnolologias Fúnebres: Impactos Ambientais e Preferências post-Mortem na Cidade de Maceió - AL. Gestão e Saúde, v. 1, n. 1, p. Pag. 1058-1072, 2015. ISSN 1982-4785.

DE ESPINDULA, J. C. et al. Caracterização bacteriológica e físico-química das águas do aqüífero freático do cemitério da Várzea-Recife. Estudos Geológicos, v. 15, p. 80, 2005.

DE PAULA, L. S.; SABBADINI, F. S. Gestão do planejamento da capacidade em cemitérios municipais: UNESA 2005.

DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro: teoria geral do direito civil. 31. ed. São Paulo: Saraiva, 2014. 1 v.

DOMINGOS, B. MALUF, M. R. Experiência de Perdas e de Luto em Escolares de 13 a 18 anos. Revista Psicologia: Reflexão e Crítica. Vol. 16, nº13, 2003, São Paulo.

ESCUDEIRO, A. Sobre Perdas. LC Gráfica e Editora. 2011, Fortaleza.

GAGLIANO, Pablo Stolze; PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo curso de direito civil: parte geral. 16. ed. rev. atual. São Paulo: Saraiva, 2014. 1 v.

GIOCOMIN, K.C; SANTOS, W.J; FIRMO, J.O.A. O luto antecipado diante da consciência da finitude: a vida entre os medos de não dar conta, de dar trabalho e de morrer. Ciência e Saúde Coletiva, Belo Horizonte, v.18, nº29, p.2487, 2469, 2013. Disponível em: http://scielo.br/pdf/scv/v18n9a02.pdf. Acesso em: 20 de março de 2015.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil esquematizado. São Paulo: Saraiva, 2011. 1 v.

HIRONAKA, Giselda Maria Fernandes Novaes. Morrer e suceder: passado e presente da transmissão sucessória. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

KEMERICH, P. D. D. C. et al. A questão ambiental envolvendo os cemitérios no Brasil. Revista Monografias Ambientais, v. 13, n. 4, p. 3777-3785, 2014. ISSN 2236-1308.

KEMERICH, P. D. D. C. et al. Caracterização química da água subterrânea em área ocupada por cemitério: uso da técnica de espectrometria de fluorescência de raios-X por energia dispersiva (EDXRF). Revista Ambiente & Água-An Interdisciplinary Journal of Applied Science: v, v. 7, n. 3, 2012.

KÜBLER–ROSS, Elisabeth. Sobre a Morte e o Morrer: O que os Doentes Terminais tem para Ensinar a Médicos, Enfermeiras, Religiosos e aos Seus Próprios Parentes. São Paulo: Martins Fontes. 8ºEd. 2002

MATOS, B. A. Avaliação da ocorrência e do transporte de microrganismos no aqüífero freático do cemitério de Vila Nova Cachoeirinha, município de São Paulo. 2001.

MONTEIRO, Washington de Barros; PINTO, Ana Cristina de Barros Monteiro França. Curso de direito civil: parte geral. 44. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

NEIRA, D. F. et al. Impactos do necrochorume nas águas subterrâneas do cemitério de Santa Inês, Espírito Santo, Brasil. Natureza On Line, Santa Teresa, v. 6, p. 36-41, 2008.

PACHECO, A. Cemitério e meio ambiente. 2000. Universidade de São Paulo

PASCOAL, Melissa. Trabalho em Grupo Com Enlutados. Psicologia em Estudo. Maringá. 2012. Disponível em: Acesso em 25 de Fevereiro de 2015.

PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de direito civil. 27. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2014.

REBELO, J.E. Importância da entreajuda a pais em luto. Análise Psicológica, Disponível em: http://scielo.oces.mctes.pt/pdf/asp/v23,4/v23,4a02.pdf. Acesso em: 20 de março de 2015.

SOARES, Edirrah Gorett Bucar. MAUTONI, Maria Aparecida de Assis Gaudereto. Conversando Sobre o Luto. São Paulo: Editora Agora. 2013.

ROCHA, L. A. G.; LEÃO, A. L.; BARBOSA, I. F. Cemitério Municipal jardim Botucatu - São Paulo. Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 1, n. 6, 2013. ISSN 2318-8472.

THOMPSON, B. Memória e Exaltação da Vida no Cemitério Monumental. Revista Sociais e Humanas, v. 27, n. 3, p. 89-107, 2015. ISSN 2317-1758.

VENOSA, Silvio de Salvo. Direito civil: parte geral. 14. ed. São Paulo: Atlas, 2014. 1. v.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.