O ENTENDIMENTO DO USUÁRIO SOBRE PROCESSO DE TRABALHO DO ENFERMEIRO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

Patrícia Maria ZONTA,, Marina Patrício de ARRUDA,

Resumo


Esta Pesquisa tem o objetivo de conhecer o entendimento dos usuários em relação ao processo de trabalho do enfermeiro da ESF e outros mais específicos como discutir o perfil profissional do enfermeiro levantado junto à comunidade com a proposta de atuação preconizada pela ESF, identificar fragilidades e potencialidades do processo de trabalho, considerando a visão do usuário, avaliar as percepções que os usuários da ESF têm sobre o trabalho do enfermeiro. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de caráter exploratório e caracteriza-se pela busca do entendimento que os usuários têm acerca do trabalho do enfermeiro, processo que envolve a percepção e o reconhecimento desses usuários a respeito do papel deste profissional. Vale ressaltar que é necessário as secretarias de saúde realizem capacitações sobre a mudança de trabalho dos enfermeiros junto com a equipe de ESF e invista na construção de protocolos que possam distinguir o fazer do enfermeiro proporcionando o reconhecimento desses profissionais pela população que ele atende. A importância do vínculo ressaltada pelos entrevistados nos faz refletir sobre a responsabilidade e o compromisso do enfermeiro na mudança de seu processo de trabalho.

 


Palavras-chave


Estratégia Saúde da Família. SUS. Comunidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Ronzani TM, Silva CDM. O Programa Saúde da Família segundo profissionais de saúde, gestores e usuários. Ciência e Saúde Coletiva. 2008. 13(1): 23-34.

Benito GAV, Becker LC. Atitudes gerenciais do enfermeiro no Programa Saúde da Família: visão da Equipe Saúde da Família. Revista Brasileira de Enfermagem. 2007.60(3):312-316.

Bakes DS, Bakes MS, Erdmann AL, Bruscher A. O papel profissional do enfermeiro no Sistema Único de Saúde: da saúde comunitária à estratégia de saúde da família. Ciência e Saúde Coletiva 2012. 17(1): 223-230.

Santos RMD, Ribeiro LDCC, Percepção do usuário da Estratégia Saúde da Família sobre o trabalho do enfermeiro. Cogitare Enfermagem 2010. 15(4): 709-715.

Rangel RF, Fugali, MDM, Backes DS, Gehlen MH, Souza MHTD. Avanços e perspectivas da atuação do enfermeiro em Estratégia Saúde da Família. Cogitare Enfermagem 2011. 16(3): 498-504.

Minayo MCDS. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

Trivinos, ANS. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação:4ed. São Paulo: Atlas, 1995.

GIL AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

Minayo MCDS, O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1994

Pope c, mays n. Pesquisa qualitativa na atenção à saúde. 2. ed. Porto Alegre: Artmed; 2005.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. 6. ed. Brasília; Ministério da saúde; 2005.

Brito MJM, Gazzinelli MFC, Melo MCOL. Os estágios identitários da enfermeira-gerente: uma abordagem piagetiana. Texto & Contexto Enfermagem, 2006 15(2):212-221.

Oliveira, B. G. R. B. A passagem pelos espelhos: a construção da identidade profissional da enfermeira. Revista Texto e Contexto Enfermagem 2006, 15 (1):60-67.

Borges MS, Lima, D; Almeida AMO. Mel com fel: as representações sociais do cuidado de enfermagem e cidadania. Comunicação em Ciências da Saúde, 2008 19(4): 333-342

Feliciano, K. V. O.; Kovacs, M. H; Sarinho, S. W. Superposição de atribuições e autonomia técnica entre enfermeiras da estratégia saúde da família. Revista Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 44, n. 3, p. 520-527, 2010.

Araujo MB, Rocha PM. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Cien Saude Colet 2006; 12(2):455-464. 17.

Ministério da saúde. Portaria n.º 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Ministério do Estado de Saúde, 2011.

Gomes, AMT; Oliveira, DC. Espaço autônomo e papel próprio: representações de enfermeiros no contexto do binômio saúde coletiva-hospital. Revista Brasileira de Enfermagem, 2008 61(2) p. 178-185.

Peres AM; Cianpone MHT. Gerência e competências gerais do enfermeiro. Texto e Contexto Enfermagem 2006, 15(3): 492 – 499.

Santos AS; Miranda, SMRC. A enfermagem na gestão em atenção primária a saúde. São Paulo: Manole, 2007.

Lima M; et al. O Acesso e acolhimento em unidades de saúde na visão dos usuários. Acta Paulista de Enfermagem. 2007, 20(1): 12-17.

Polizer R; Innocenzo M. Satisfação do cliente na avaliação da assistência de enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, 2006 59(6): p. 548-551.

Sakata, KN, Almeida MCPD, Alvarenga ADMPFC, Pereira MJB. Concepções da equipe de saúde da família sobre as visitas domiciliares. Rev. bras. enferm. 2007,60(6) p.659-664.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.