MAUS-TRATOS CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE: PERCEPÇÃO MULTIPROFISSIONAL EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DE UMA CIDADE DE MÉDIO PORTE DO SUL DO BRASIL

Renata Couto de Arruda BUNN,, Audrilara Arruda Rodrigues CAMPOS,, , Igor Fonseca dos SANTOS, Mirian KUHNEN,, Maria Conceição de OLIVEIRA,

Resumo


O objetivo deste estudo é compreender a percepção acerca de maus-tratos cometidos contra crianças e adolescentes, junto aos profissionais de equipes de saúde da família que atuam numa unidade básica de saúde de um município de médio porte do sul do Brasil. Trata-se de pesquisa de abordagem qualitativa, sendo utilizada entrevista semi-estruturada. A análise temática se deu a partir das categorias: o papel dos serviços de saúde; problema de saúde pública; conhecimento e prática na identificação de maus-tratos, atitude diante de casos e percepção das causas. Na percepção dos profissionais é papel do serviço de saúde atuar, identificar e prevenir os casos de maus-tratos. Na prática enfrentam dificuldades de realizar a identificação, não estão articulados como equipe para enfrentar o problema e praticamente desconhecem o processo oficial de notificação.  Com isso, além da pouca resolutividade em termos dos encaminhamentos necessários, constatou-se uma quase ausência de ações de prevenção. As percepções encontradas nesse estudo indicam a necessidade de estruturar estratégias visando à educação permanente dos profissionais de saúde, maior divulgação dos materiais elaborados pelo Ministério da Saúde, planejamento de ações integradas e a utilização de protocolos.


Palavras-chave


Maus-tratos, Profissionais da Saúde, Atenção Primária à saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


ARRUDA, R.C,; GRECHOVIASKI, E.C.; CAVAZZOLA, A.S. Ocorrência de Maus-Tratos na Infância e Adolescência na Cidade de Lages-SC no Período de 2005 a 2007. Lages: Uniplac, 2008 (Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Curso de graduação em odontologia).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Notificação de maus-tratos contra crianças e adolescentes pelos profissionais de saúde: um passo a mais na cidadania em saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Assistência à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente.Ministério da Justiça, Brasília, 110pp, 1997 .

BRASIL. Portaria GM/MS nº 737 de 16/05/01.Brasília. Ministério da Saúde. Política Nacional de Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências,. 2001. [citado 17 março 2011]. Disponível em: prosaude.org/.../port_737_polt_reducao_acid_morbimortalidade.pdf

BRASIL. Portaria nº 2.669 de 06 de novembro de 2009. Estabelece as prioridades, objetivos, metas e indicadores de monitoramento e avaliação do Pacto pela Saúde, nos componentes pela Vida e de Gestão, e as orientações, prazos e diretrizes do seu processo de pactuação para o biênio 2010 – 2011. DOU (Diário Oficinal da União . Brasil. Ministério da Saúde. Disponível em: http://portalweb04.saude.gov.br/sispacto/portaria2669_versao_impressao.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências: orientação para gestores e profissionais de saúde / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília : Ministério da Saúde, 2010.

BRICARELLO, S. Infância espancada. Pediatria Moderna, 35(11):5,1999.

CARVALHO, A.C.R. Diagnóstico: abuso infantil. Rev Bras Odontol. 2002; 59(3): 180-3.

________; GARRIDO, L.C.; BARROS, S.G.; ALVES, A.C. Abuso e negligencia: estudo na Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Criança e o Adolescente. JBP. 2001 18 (4): 117-

CAVALCANTI, A.L. Maus-tratos infantis: guia de orientação para profissionais de saúde. João Pessoa: Idéia, 2001.

DYM, H. The abuse patient. Dent Clin North Ame. 39(3):621-35,1995.

FERREIRA, A.L.; SCHRAMM, F.R. Implicações éticas da violência doméstica contra a criança para profissionais de saúde. Revista de Saúde Pública. 2000; 34(6): 659-665

GOMES, R.; DESLADES, S.F.; VEIGA, M.M.; BHERING, C.; SANTOS, J.F.C. Por que as crianças são maltratadas? Explicações para a prática de maus-tratos infantis na literatura. Cad Saúde Pública. 2002a; 18(3): 707-714.

GOMES, R.; JUNQUEIRA, M. F. P. S.; OLIVEIRA,C.; LEITE, J.W. A abordagem dos maus-tratos contra a criança e o adolescente em uma unidade pública de saúde. Ciênc. saúde coletiva [periódico na Internet]. 2002b; 7(2): 275-283.

GONÇALVES, H.S.; FERREIRA, A.L. A notificação da violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes por profissionais de saúde. Caderno de Saúde Pública. 2002; 18(1): 315-319 [citado 3 abril 2010]. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csp/v18n1/8168.pdf

GONÇALVES, H.S.; FERREIRA, A.L.; MARQUES, M.J.V. Avaliação de serviço de atenção a crianças vítimas de violência doméstica. Rev Saúde Pública. 1999; 33(6): 547-53.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2010. [citado 02 janeiro 2011]. Disponível em:http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?

KRUG, E.G. ET AL., eds. World report on violence and health. Geneva. World Health Organization. 2002.

LUNA, G.L.M.; FERREIRA R.C.; VIEIRA, L.J.S.V. Notificação de maus-tratos em crianças e adolescentes por profissionais da Equipe Saúde da Família. Ciência e Saúde Coletiva 2010; 15(2):481-491.

MARTINS, C.B.G.; JORGE, M.H.P. Negligência e abandono de crianças e adolescentes: análise dos casos notificados em município do Paraná, Brasil. Pediatria (São Paulo) 2009;31(3):186-97

MASSONI, A.C.L.T.; FERREIRA, A.M.B.; ARAGÃO A.K.R.; MENEZES, V.A.; COLARES, V. Aspectos orofaciais dos maus-tratos infantis e da negligência odontológica. Ciência e Saúde Coletiva 2010; 15(2):403-410. [citado 20 janeiro 2011]. Disponível em: http://redalyc.uaemex.mx/pdf/630/63012321012.pdf

MINAYO, MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10. ed. (revisada). São Paulo: Hucitec; 2007.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Programa Aviso por Maus-Tratos contra crianças ou Adolescentes - APOMT. Florianópolis. 2006 [citado 3 maio 2010]. Disponível em http://www.mp.sc.gov.brportalsiteconteudocaocijprogramasapomtapomt2006_web.pdf.

MOURA, A.T.M.S.; MORAES C.L.; REICHENHEIM M.E. Detecção de maus-tratos contra a criança: oportunidades perdidas em serviços de emergência na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24 (12): 2926-2936, dez,2008. [citado 12 novembro 2010]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v24n12/22.pdf

_______, D.P.S.;TOLEDO A.O.; BEZERRA A.C.B. Reconhecimento de crianças vítimas de maus-tratos- Responsabilidade do Odontopediatra. JBP.2000; 14(3): 318-22.

MOREIRA, G.A.R. et al. Instrumentação e conhecimento dos profissionais da equipe saúde da família sobre a notificação de maus-tratos em crianças e adolescentes.Rev Paul Pediatr 2013; 31(2):223-30




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.