ACESSIBILIDADE NAS CALÇADAS URBANAS DE UMA CIDADE DA SERRA CATARINENSE

Valquíria Chaves RIBEIRO, Sayonara Varela

Resumo


O presente estudo emergiu de uma proposta da disciplina de Ecologia da Ação do curso de Mestrado em Ambiente e Saúde – 2015 da Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC) de escolha de um registro fotográfico do ambiente local que pudesse ser problematizado por nós. Nossa escolha recaiu sobre uma via pública de uma cidade da Serra Catarinense que não garantia acessibilidade às pessoas portadoras de deficiência física ou com dificuldades de locomoção. Assim, o foco dessa reflexão foi a acessibilidade tendo em vista a mobilidade das pessoas que como pedestres ou cidadãos necessitam transitar num ambiente seguro, confortável, sem riscos, onde o direito de ir e vir seja respeitado, ou onde existam calçadas que propiciem o acesso digno de todos.

 


Palavras-chave


Acessibilidade. Deficientes físicos. Calçadas.

Texto completo:

PDF

Referências


ABNT. NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. 2ª edição. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas, 97 p., 2004.

BARROSO, Celina de Pinho. Conforto e orientação na percepção da acessibilidade urbana: área central de Pelotas - RS. 2012. 222 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Arquitetura, Programa de Pós-graduação em Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012. Disponível em: . Acesso em: 03 Dez. 2015.

BEZERRA, Luíza Cavalcanti. A natureza jurídica das calçadas urbanas e a responsabilidade primária dos Municípios quanto à sua feitura, manutenção e adaptação para fins de acessibilidade. 2012. Disponível em. Acesso em: 03 dez. 2015.

BRASIL. Constituição (2000). Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Lei. Pessoa Portadora de Deficiência: legislação federal básica. Brasília, DF: Ministério da Justiça, 2001. P. 173-179.

BRASIL. Constituição (2015) Lei Federal nº 13.146 de seis de Julho de 2015.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

KEPPE JUNIOR, Celso Luiz Guimarães. Formulação de um indicador de acessibilidade das calçadas e travessias. 2007. 152 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia Urbana, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2007. Disponível em:. Acesso em: 03 dez. 2015.

MOBILIZE: Mobilidade Urbana sustentável. Disponível em: . Acesso em: 03 dez 2015.

PREISER , W. F. E. Integrating the Seven Principles of Universal Design into Planning Practice. In: Universal design and visitability: from accessibility

y to zoning / Edited by Jack L Nasar and Jennifer Evans-Cowley. Columbus, Ohio, 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. CENSO 2010: Censo 2010. Todas: Ibge, 2010.

TIMÓTEO, Valdir. Calçadas com Acessibilidade é para todos, orientações Valdir Timóteo Movimento Inclusão Já: O direito de ir e vir começa na porta das nossas casas faça a sua parte e não seja no futuro vitima da sua própria omissão.. 2013. Disponível em: . Acesso em: 03 Dez. 2015.

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. PROJETO CALÇADA ACESSÍVEL: Guia para projetos de espaços públicos. Seropédica- Rj, 2012. 45 p.

SEMMER, José Pedro et al. Acessibilidade - Cartilha de Orientação: Implementação do Decreto 5.296/04. Arquiteto. Disponível em: www.crea-sc.org.br/portal/.../File/cartilha-acessibilidade-final-web.pdf . Acesso em: 03 dez. 2015.

SOUTHWORTH, Michael. Designing the Walkable City. Journal of urban planning and development, vol.131, n. 4, p. 246-257, 2005.

DECRETO. Decreto Nº 6410, de 28 de junho de 2001. Disponivel : http://leismunicipa.is/ntmbr Acesso em : 23 Nov 2015.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.