RECONHECER PARA CUIDAR: COMUNICAÇÃO NÃO VERBAL CINÉSICA DO RECÉM-NASCIDO E O ENFERMEIRO

Debora Laurentino, Andreia Valéria de Souza Miranda, Nayara Alano de Moraes, Magali Tagliari Graf

Resumo


Em sua vida profissional, o enfermeiro utiliza a comunicação para realizar diversas atividades. Dentre eles, a sua atuação como educador e cuidador, além de ser o elo entre a equipe multiprofissional e os diversos serviços de cuidado indireto, exige do enfermeiro maior habilidade de comunicação. A comunicação é um processo interativo no qual compartilhamos informações, pensamentos, sentimentos e emoções. Conhecer as expressões cinésica são fundamentais para identificar os sentimentos e transmissão que o RN está passando para o receptor, tornando-o mais assertivo a conduta que o RN necessita naquele momento. Desse modo, o objetivo deste artigo é enfatizar o reconhecimento da comunicação não verbal cinésica do recém-nascido e suas implicações no cuidado do enfermeiro. Este estudo adota como estratégia metodológica, a revisão bibliográfica na forma qualitativa, ela possibilidade de acesso à experiências de autores que já pesquisaram sobre o assunto. O Enfermeiro como responsável da tomada de decisão nos cuidados, necessita de uma comunicação eficaz capaz de gerar um vínculo de confiança entre ele, recém-nascido e família. Essa ligação do enfermeiro com a família é primordial para um cuidado humanizado, pois quando gerada essa confiança ela reflete diretamente no RN através da comunicação não verbal. É necessário que o enfermeiro identifique e crie diversos meios que os clientes possam utilizar para comunicarem-se de forma não verbal, gerando assim um processo comunicativo.


Palavras-chave


enfermagem; comunicação não verbal cinésica; cuidado em enfermagem.

Texto completo:

PDF

Referências


BROCA, Priscilla Valladares; FERREIRA, Márcia de Assunção. A equipe de enfermagem e a comunicação não verbal. Rev Min Enferm., [s. l.], v. 18, ed. 3, p. 697-702, 22 ago.2014;Disponivel: www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20140051 ; Acessado em 01 Julho de 2020.

CONGRESSO BRASILEIRO DE ENFERMAGEM, 61., 2009, Fortaleza. Importância da comunicação não-verbal na assistência de enfermagem [...]. Natal: [s. n.], 2009.3 p.; Disponível: http://www.abeneventos.com.br/anais_61cben/files/01380.pdf;Acesso em 18 Junho de 2020

IZIDORO, VIVIANE DE SOUZA. A comunicação não verbal do recém-nascido e o cuidado de enfermagem em uti neonatal: um estudo com a equipe de enfermagem. Orientador: FÁTIMA HELENA DO ESPÍRITO SANTO. 2013. 51 f. Trabalho de Conclusão de Curso (GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM) - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENFERMAGEM AURORA DE AFONSO COSTA, Niterói, 2014; Disponível https://app.uff.br/riuff/handle/1/3289 ; Acessado em 12 Julho de 2020.

NASCIMENTO, Lílian do. Comunicação de recém-nascidos em unidade de terapia intensiva neonatal: DECODIFICAÇÃO POR ENFERMEIROS. Orientador: Iêda Maria Ávila Vargas Dias. 2013. 112 f. Dissertação (Pós-Graduação em Enfermagem) - Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2011; Disponivel: https://app.uff.br/riuff/handle/1/3289; Acessado em 22 Agosto de 2020.

PIZZANI, Luciana et al. A Arte da pesquisa bibliográfica na busca do conhecimento. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, v. 10, n. 1, p. 53-66, jul./dez. 2012; Disponível: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/1896. Acessado em 15 Maio de 2020

PONTES, Elaine Pereira et al. Comunicação não verbal na unidade de terapia intensiva pediátrica: percepção da equipe multidisciplinar. Rev. Min. Enferm., [s. l.], v. 18, ed. 1, p. 152-157, 26 fev. 2014; Disponivel http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20140012; Acessado em 18 Julho de 2020.

RAMOS, Ana Paula; BORTAGARAI, Francine Manara. A comunicação não-verbal na área da saúde. Rev. CEFAC, São Paulo, ano 2011, p. 1 - 5, 24 fev. 2011; Disponivel https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-18462012000100019&script=sci_abstract&tlng=pt Acessado em 09 Junho de 2020.

SANTOS, Carla Cristina Viana et al. A influência da comunicação não verbal no cuidado de enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, [S. l.], v. 58, n. 4, p. 7-434, jul./ago. 2005;Disponivel https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0034-71672005000400010&lng=en&nrm=iso&tlng=pt Acessado em 27 Julho de 2020.

SANTOS, C.C.V.; SHIRATORI, K. COMUNICAÇÃO NÃO VERBAL: IMPORTÂNCIA NO CUIDADO DE ENFERMAGEM. Revista Eletrônica Quadrimestral de Enfermaria, [S. l.], n. 12, p. 1 - 9, fev. 2008. Disponível https://doi.org/10.6018/eglobal.7.1.912, Acessado 22 Setembro 2020.

SEMINÁRIO NACIONAL DE PESQUISA EM ENFERMAGEM, 17., 2013, São Paulo. Comunicação não-verbal em enfermagem: o processo comunicacional em unidade de terapia intensiva neonatal [...]. São Paulo: [s. n.], 2013. 1 disponível Acessado : 09 Julho de 2020.

SILVA, Lucia Marta Giunta da et al. Comunicação não-verbal: reflexões acerca da linguagem corporal. Rev.latino-am.enfermagem, Ribeirão Preto, v. 8, n. 4, p. 52-58, agosto 2000;Disponivel https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692000000400008; Acessado: 25 Julho de 2020.

TEIXEIRA, Enise Barth. A Análise de Dados na Pesquisa Científica: importância e desafios em estudos organizacionais. Editora Unijuí, Ijuí, ano 1, n. 2, p. 177-201, jul./dez. 2003. Disponível em https://doi.org/10.21527/2237-6453.2003.2.177-201; Acessado: 10 Junho de 2020.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.