RELAÇÃO ENTRE O TEMPO DE ASSISTIR TELEVISÃO E O ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS

Nayara Mussi Monteze, Maria Marta Amancio Amorim, Mariana Moulin Rocha Soraggi, Kássia Maria Queiroz Souza, Leticia Santos Alves, Maria Clara Mendes de Oliveira, Moniele Santos Costa

Resumo


Analisar a relação entre o tempo de televisão e o estado nutricional de crianças é o objetivo desse estudo. Estudo com aplicação aos pais ou responsáveis legais de crianças entre 4 e 10 anos de idade de um questionário online contendo dados de idade, sexo, peso, altura, hábitos alimentares e rotinas das crianças. Os dados foram analisados pelo Statistical Package for the Social Sciences for Windows Student Version®, versão 20.0. Participaram 249 pais e/ou responsáveis., sendo 50,8% de meninas. Grande parte das meninas e meninos estão com o peso/idade adequado, quanto ao IMC/idade em torno da metade são eutróficos e o restante estão com sobrepeso e obesidade. A média de exposição à televisão diariamente foi de 3 horas e 20 minutos, sendo que 42% das crianças assistiam mais de 3 horas por dia. O tempo gasto na frente da televisão apresentou relação positiva com o peso da criança, sendo o resultado estatisticamente significativo (p=0,006). As atividades mais frequentes realizadas pelas crianças diariamente foram assistir televisão e brincar com jogos eletrônicos. Observou-se diferença entre a preferência alimentar da criança e os alimentos que normalmente pedem aos pais/responsáveis para comprarem e 93% dos pais/responsáveis afirmaram que a televisão exerce influência na construção do hábito alimentar da criança. As crianças deixam a prática de brincar em atividades de maior gasto energético por práticas sedentárias como televisão e jogos eletrônicos. A mídia exerce influência considerável na formação das escolhas alimentares das crianças. 


Palavras-chave


mídia audiovisual, alimentos, criança, comportamento alimentar

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA., S.S., NASCIMENTO, P.C., QUAIOTI, T.C.B. Quantidade e qualidade de produtos alimentícios anunciados na televisão brasileira. Revista de Saúde Pública, v. 36, n.3 p. 353-355, 2002. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102002000300016.

AMERICAN ACADEMY OF PEDIATRICS. Children, Adolescents and the Media. Pediatrics, v. 132, n. 5, p. 958-961, 2013. Disponível em https://doi.org/10.1542/peds.2013-2656.

BARCUS, F.E. The nature of television advertising to children. In: Palmer, E.L., Dorr, A. Children and the faces of television: teaching, violence, selling. Nova York, Academic Press; p. 244, 1980.

BIBIANO, C.R.D., SCHMIDT, I.T.A. Influência da televisão na alimentação infantil: uma questão educativa. Colloquium Humanarum, v. 7, n. 2, p. 74-79, 2010. Disponível em https://doi.org/ 105747/ch.2010.v07.n2

BRASIL Incorporação das curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN. Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2007. Disponível em https://www.sprs.com.br/sprs2013/bancoimg/131209104419oms2006_2007.pdf. Acesso em 30 março 2020.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: despesas, rendimento e condições de vida. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2010. Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv45130.pdf. Acesso em 30 março 2020.

BRASIL. Regimento interno do CONANDA. Resolução CONANDA Nº 163 de 13/03/2014. Dispõe sobre a abusividade do direcionamento de publicidade e de comunicação mercadológica à criança e ao adolescente, Diário Oficial, 4 abril de 2014, 2014. Disponível em https://www.normasbrasil.com.br/norma/resolucao-163-2014_268725.html. Acesso em 30 março 2020.

CASTRO, I.R.R., CARDOSO, L.O., ENGSTROM, E.M., LENY, R.B., MONTEIRO, C.A. Vigilância de fatores de risco para doenças não transmissíveis entre adolescentes: a experiência da cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 24, n. 10, p. 2279-2288, 2008. Disponível em https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008001000009.

COON, K.A., GOLDBBERG, J., ROGERS, B.L., TUCKER, K.L. Relationships between use of television during meals and children’s food consumption patterns. Pediatrics, v. 107, n. 1, p. 1-9, 2001. Disponível em https://doi.org/10.1542/peds.107.1.e7.

COON, K.A., TUCKER, K.L. Television and children’s consumption patterns. A review of the literature. Minerva Pediatr., v. 54, n.5, p. 423-436, 2002.

FIATES, G.M.R., AMBONI, R.D.M.C., TEIXEIRA, E. (2006). Marketing, hábitos alimentares estado nutricional: Aspectos polêmicos quando o tema é o consumidor infantil. Alim e Nut; v. 17, n. 1, p. 105-112, 2006. Disponível em https://nuppre.ufsc.br/files/2014/04/2006-FIATES-et-al.pdf. Acesso em 30 março 2020.

GORDON-LARSEN, P. ADAIR, LS., POPKIN, B.M. Ethnic di erences in physical activity and inactivity patterns and overweight status. Int J Behav Nutri Phys, v. 4, n. 26, p. 141-149, 2002. Disponível em https://doi.org/10.1038/oby.2002.23.

HENRIQUE, I.V.M. Controle social e regulação da publicidade infantil: O caso da comunicação mercadológica de alimentos voltada às crianças brasileiras. RECIIS – R. Eletr. de Com. Inf. Inov. Saúde, v. 4, n. 4, p. 72-84, 2010. Disponível em https://doi.org/10.3395/recis.v44.649.

HILL J.O., PETERS, J.C. Environmental contributions to the obesity epidemic. Science, v. 280, n. 5368, p. 1371-1374, 1998. Disponível em https://doi.org/10.1126/science.280.5368.1371.

LANG T, MILLSTONE E. The atlas of food. Who eats what, were, and why. London: Easthscan Books, 2002.

LIPNOWSKI, S., LEBLANC, C.M.A. Canadian Paediatric Society. Healthy Active Living for Children and Youth Advisory Committee Healthy active living for children and youth. Paediatr Child Health, v. 17, n. 4, p. 209-210, 2002. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2795627/. Acesso em 30 março 2020.

MANIOS, Y., KONDAKI, K., KOURLABA, G., GRAMMATIKAKI, E., BIRBILIS, M., JOANNOU, E. Television viewing and food habits in toddlers and preschoolers in Greece: The GENESIS study. European Journal of Pediatrics, v. 168, n. 7, p. 801-808, 2009. Disponível em https://doi.org/10.1007/s00431-008-0838-3.

MATHESON, D.M., KILLEN, J.D., WANG, Y., VARADY, A., ROBINSON, T.N. Children's food consumption during television viewing. The American Journal of Clinical Nutrition, v. 79, n. 1, p. 1088-1094, 2004. Disponível em https://doi.org/10.1093/ajcn/79.6.1088.

MOTTA-GALLO, S., GALLO, P., CUENCA. A. Influência da televisão nos hábitos alimentares de crianças no nordeste brasileiro. Journal of human growth and development, v. 23, n. 1, p 87-93, 2013. Disponível em: .

MOURA, N.C. Influência da mídia no comportamento alimentar de crianças e adolescentes. Segurança Alimentar e Nutricional, v. 17, n. 1, p. 113-122, 2010. Disponível em https://doi.org/10.20396/san.v17i1.8634805.

OLIVARES, S.C. Publicidad televisiva y preferencias alimentarias en escolares de la Región Metropolitana. Rev Méd de Chile, v. 127, n. 7, p. 791-799, 1999. Disponível em http://dx.doi.org/10.4067/S0717-75182003000100005.

OLIVEIRA, T.S. A influência da publicidade na alimentação de escolares e sua relação com o excesso de peso. Rev. de Iniciação Científica, Cippus, v. 6, n. 1, p. 29-38, 2016. Disponível em https://revistas.unilasalle.edu.br/index.php/Cippus/article/view/2334/1893. Acesso em 30 março 2020.

REATO, L.F.N. Mídia x Adolescente. Pediatria Moderna, v. 37, ed. Especial, p. 37-40, 2001.

ROBESPIERRE, Q.C.R., PAULO, A.L., JOEL, A.L., REYNALDO, G.O., FRANCISCO, S.J., APARECIDA, B.D. Fatores adicionais de risco cardiovascular associados ao excesso de peso em crianças e adolescentes: o estudo do coração de Belo Horizonte. Arq Bras Cardiol, v. 86, n. 6, p.408-418, 2006. Disponível em https://doi.org/10.1590/S0066-782X2006000600002.

SANTOS, S.L. Influência da propaganda nos hábitos alimentares: análise de conteúdo de comerciais de comerciais de alimentos da televisão. São Carlos. Dissertação [Mestrado em Engenharia de Produção]. Programa de pós-graduação em Engenharia de Produção da Universidade de São Carlos. 2007 Disponível em https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/3522/DissSLS.pdf?se. Acesso em 30 março 2020.

SCHLOSSER, E. País fast food: o lado nocivo da comida norte-americana. Tradução de Beth Vieira. São Paulo: Ática, 2001.

SILVA, R.C.R., MALINA, R.M. Level of physical activity in adolescents from Niterói, Rio de Janeiro, Brazil. Caderno Saúde Pública, v. 16, n. 4, p. 1091-1097, 2000. Disponível em https://doi.org/10.1590/S0102-311X2000000400027.

SOUZA, A.C.R, OBREGÓN, M.F.Q. Obesidade, publicidade infantil e fast-food: A (in)sustentabilidade do padrão alimentar contemporâneo a níveis de saúde pública mundial. D y Cam Soc., v. 53, p. 2224-4131, 2018. Disponível em https://www.derechoycambiosocial.com/revista053/OBESIDADE_PUBLICIDADE_INFANTIL.pdf. Acesso em 30 março 2020.

TOMAZ, M., RAMOS, A.A.M., MENDES, L.L. Consumo de refrigerantes e fatores relacionados aos hábitos alimentares de crianças e adolescentes de escolas municipais da região nordeste de Juiz de Fora. HU Revista, v. 40, n. 3 e 4, p. 189-194, 2015. Disponível em http://docs.bvsalud.org/biblioref/2016/09/1840/2441-13560-1-pb.pdf. Acesso em 30 março 2020.

WARD, S. The effects of television advertising on consumer socialization. In: Adler, R.P. et al. The effects of television advertising on children. Washington, DC: National Science Foundation; p. 172, 1977.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.