PLANTAS MEDICINAIS E ODONTOLOGIA NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE – SUS

Micael Sampaio da Silva

Resumo


A utilização de plantas medicinais como formas terapêuticas é uma prática antiga encontrada em várias regiões do Brasil, sendo intensificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) por reconhecer a medicina tradicional como forma auxiliar no cuidado com a saúde e regulamentada pelo Conselho Federal de Odontologia (CFO) para que cirurgiões-dentistas possam atribuir na prática clínica a fitoterapia como complementar nos cuidados com a saúde oral. O objetivo deste trabalho foi buscar na literatura plantas medicinais de conhecimento popular e medicamentos fitoterápicos disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) com indicação para tratamento de afecções bucais, contribuindo para promover seus usos pelos cirurgiões-dentistas.   Utilizou-se para coleta as bases de dados do Ministério da Saúde, SciELO e Google Acadêmico, selecionando artigos de pesquisa original de 2009 a 2018 e excluindo artigos de revisão de literatura. O cajueiro (Anacardium occidentale Linn) apresenta propriedades bactericida e bacteriostática contra Streptococcus mutans, Streptococcus mitis, Streptococcus sanguis e Streptococcus sobrinus, bactérias formadoras de lesões de cárie.

Palavras-chave


Fitoterapia. Odontologia. Saúde Bucal

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO C. R. F.; PEREIRA J. V.; PEREIRA M. S. V.; ALVES P. M.; HIGINO J. S.; MARTINS A. B. Concentração Mínima Bactericida do Extrato do Cajueiro sobre Bactérias do Biofilme Dental. Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada, 2009, v. 9, n. 2, p. 187-191.

BRASIL, Ministério da Saúde. A Fitoterapia no SUS e o Programa de Pesquisas de Plantas Medicinais da Central de Medicamentos. 1ª ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 148 p.

BRASIL, Ministério da Saúde. Política e Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Tiragem 1ª ed. 2006. Brasília: Ministério da Saúde, 2016. 190 p.

BRASIL, Ministério da Saúde. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais. Tiragem: RENAME 2018. Brasília: Ministério da Saúde, 2018. 218 p.

BRASIL, Ministério da Saúde [homepage na internet]. Plantas Medicinais de Interesse ao SUS [acesso em 23 de agosto de 2019]. Disponível em: http:www.saude.gov.br.

BRASIL, Ministério da Saúde. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais: Rename 2020 [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. – Brasília: Ministérioda Saúde, 2020. 217 p.

EVANGELISTA S. S.; SAMPAIO F. C.; PARENTE R. C.; BANDEIRA M. F. C. L. Fitoterápicos na odontologia: estudo etnobotânico na cidade de Manaus. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 2013, v. 15, n. 4, p. 513-519.

PINTO A. T. M.; SILVA D. J.; RIBEIRO A. S. C.; PEIXOTO I. T. A. Atividade Antimicrobiana de Dentifrícios Fitoterápicos Contra Streptococcus mutans eStaphylococcus aureus. UNOPAR Científica Ciências Biológicas e da Saúde, 2013, v. 15, n. 4, p. 259-263.

REIS L. B. M. et al. Conhecimentos, atitudes e práticas de Cirurgiões-Dentistas de Anápolis-GO sobre a fitoterapia em odontologia. Revista de Odontologia da UNESP, 2014, v. 43, n. 5, p. 319-325.

SOUSA G. F. M.; SILVA M. R. A.; MOTA E. T.; TORRE A. M.; GOMES J. P. Plantas medicinais x raizeiros: uso na odontologia. Revista de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial, 2016, v. 16, n. 3, p. 21-29.

SANTOS E. B.; DANTAS G. S.; SANTOS H. B.; DINIZ M. F. F. M.; SAMPAIO F. C. Estudo etnobotânico de plantas medicinais para problemas bucais no município de João Pessoa, Brasil. Revista Brasileira de Farmacognosia, 2009, v. 19, n. 1B, p. 321-324.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.