A IMPORTÂNCIA DO DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES SOCIOEMOCIONAIS COMO PROPOSTA DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Bruna Narloch Nunes de Amorim, Izabel Cristina Feijó de Andrade

Resumo


Esse artigo tem o propósito refletir sobre a importância das habilidades socioemocionais para o desenvolvimento da criança. Para tanto, foi necessário identificar quais os conceitos das habilidades socioemocionais; e, verificar como elas são desenvolvidas na educação infantil por meio dos resultados na prática educativa. Esse estudo configurou uma pesquisa com abordagem qualitativa, de caráter compreensivo e explicativa. Os dados foram colhidos por meio de um questionário com cinco participantes: duas gestoras e três professoras de uma escola particular, localizada em Santa Catarina. A análise das informações foram tratadas a partir de Análise discursiva textual de Moraes e Galiazzi (2011). O resultado aponta que é possível considerar a metodologia pedagógica sob o viés das competências e habilidades socioemocionais, que aprimoram as atitudes e comportamentos das crianças o que pode gerar um resultado significativo para a prática, para o processo de ensino e desenvolvimento infantil.

Palavras-chave


Competências socioemocionais. Habilidades socioemocionais. Educação Infantil.

Texto completo:

PDF

Referências


ABED, A. L. Z. O desenvolvimento das habilidades socioemocionais como caminho para a aprendizagem e o sucesso escolar de alunos da educação básica. Tese. São Paulo: UNESCO/MEC, 2014.

BASSI, M.; BUSSO, M.; URZÚA, S.; VARGAS, J. Desconectados: habilidades, educação e emprego na América Latina. Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), 2012. Disponível em: https://issuu.com/idb_publications/docs/dipapaers_pt_79498. Acesso em 2 de mai. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017, Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. 2017a. Disponível em: https://abmes.org.br/legislacoes/detalhe/2051/lei-n-13.415. Acesso em 2 de mai. 2020.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Terceira versão. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: ensino médio. Brasília: MEC, 2018.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília, MEC, 2013, 562 p.

CASASSUS, J. Fundamentos da educação emocional. Brasília: UNESCO, Liber Livro Editora, 2009.

COLAGROSSI, A. L. R.; VASSIMON, G. A aprendizagem socioemocional pode transformar a educação infantil no Brasil. Constr. psicopedag. [online]. 2017, vol.25, n.26, pp. 17-23. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-69542017000100003. Acesso em: 01 de mai.2020.

CHAVES, D. S. P. Empresariamento da Educação: Instituto Ayrton Senna e a política de competências socioemocionais na rede estadual de ensino do Rio de Janeiro. Tese. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Educação, Programa de Pós Graduação em Educação, 2019. 472f.

CURY, A. J. Pais brilhantes Professores fascinantes. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.

CURY, A. J. 20 regras de ouro para educar filhos e alunos

São Paulo: Planeta, 2017. Disponível em:

file:///C:/Users/kgxga/Downloads/20%20Regras%20de%20Ouro%20Para%20Educar%20Filhos%20e%20Alunos%20-%20Augusto%20Cury.pdf. Acesso em 2 de dez. 2020.

FRAGA, E. Faculdades privadas decidem incluir habilidades socioemocionais nas aulas. Folha de S. Paulo, São Paulo, 17 abr. 2017.Disponível em: ttps://www1.folha.uol.com.br/educacao/2017/04/1876127-faculdades-privadas-decidem-incluir-habilidades-socioemocionais-nas-aulas.shtml. Acesso em 19 de mai de 2020.

FURLONG, M.J.; YOU, S.; SHISHIM, M.; DOWDY, E. Development and Validation of the Social Emotional Health Survey-Higher Education Version. 2017). Applied Research In Quality Of Life, 12, 2017. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s11482-016-9464-9. Acesso em 02 de mai. 2020.

GONDIM, S.M.G.; MORAIS, F.A.; BRANTES, C.A.A. Competências socioemocionais: fator-chave no desenvolvimento de competências para o trabalho. Rev. Psicol., Organ. Trab. vol.14 no.4 Florianópolis dez. 2014

IAS – Instituto Ayrton Senna. Educação para o século 21, 2011. Disponível em: https://www.institutoayrtonsenna.org.br/ptr/conteudos/Educao_para_o_seacuteculo_XXI. Acesso em 21 de set. 2019.

IAS – Instituto Ayrton Senna. Competências socioemocionais: material de discussão, 2013. Disponível em https://www.institutoayrtonsenna.org.br/ptr/conteudos/Educao_para_o_seacuteculo_XXI. Acesso em 21 de set. 2019.

IAS – Instituto Ayrton Senna. Instituto Ayrton Senna lança rede de cooperação no campo das competências socioemocionais [9 de setembro, 2014]. Instituto Ayrton Senna: Notícias. Disponível em: https://www.institutoayrtonsenna.org.br/ptr/conteudos/Educao_para_o_seacuteculo_XXI. Acesso em 22 de set. 2019.

IAS – Competências socioemocionais: material de discussão, 2013.

IAS –. Instituto Ayrton Senna. Estudo especial sobre alfabetismo e competências socioemocionais na população adulta brasileira, 2016.

ITO, A., SMITH, D. C., YOU, S., SHIMODA, Y., & FURLONG, M. J. (2015). Validation and utility of the social emotional health survey-secondary for Japanese students. Contemporary School Psychology, 19, 243– 252, 2015. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/281079400_Validation_and_Utility_of_the_Social_Emotional_Health_Survey-Secondary_for_Japanese_Students. Acesso em 22 de set. 2019.

PERRENOUD, P. A prática reflexiva no ofício de professor. Profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre: Artmed Editora, 2018.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise Textual Discursiva. Ijuí: Editora Unijuí, 2011.

OCDE. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Estudos da OCDE sobre competências: competências para o progresso social: o poder das competências socioemocionais. São Paulo: Fundação Santillana, 2015.

OCDE. Are the New Millennium Learners Making the Grade? Technology Use and Educational Performance in PISA, OECD Publishing, 2010.

PRIMI, R.; SANTOS, D. Desenvolvimento socioemocional e aprendizado escolar: Uma pro- posta de mensuração para apoiar políticas públicas. resultado preliminares do projeto de com- petências socioemocionais no rio de janeiro. Instituto Ayrton Senna. São Paulo, 2014.

QUOIDBACH, J.; MIKOLAJCZAK, M.; GROSS, J. J. (2015). Positive interventions: an emotion regulation perspective. Psychological Bulletin, 141, 655–693. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25621978. Acesso em: 22 de mai. 2020.

RIVERS, S. E.; TOMINEY, S. L.; O’BRYON, E. C.;BRACKETT, M. A. Introduction to the special issue on social and emotional learning in early education. Early Education and Development, 24(7), 953–959, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1080/10409289.2013.825364. Acesso em: 02 de mai. 2020.

SILVA, M. M. da. A formação de competências socioemocionais como estratégia para captura da subjetividade da classe trabalhadora. Tese, (Doutorado em Educação Escolar) — Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Faculdade de Ciências e Letras (Campus Araraquara), 2018, 169 f.

SCHORN, S. C. Compreensões de coordenadores pedagógicos sobre habilidades socioemocionais em contextos educativos: um estudo das contribuições de Wallon para a educação socioemocional. Tese. Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu – Doutorado em Educação nas Ciências da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – Unijuí, 2018.

WALLON, H. Do ato ao pensamento: ensaio de psicologia comparada. Petrópolis: Vozes, 2008.

WILLEMSENS, B. Competências socioemocionais: efeitos do contexto escolar da religiosidade e mediação sobre o desempenho acadêmico. 2016. 120p. Tese (Doutorado) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, 2016.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.