RESIDÊNCIA PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UMA HISTÓRIA DE AVANÇOS E RESISTÊNCIAS

Danieli Barbosa, Nicoly Dutra

Resumo


O designo deste artigo é explanar os subsídios que o programa residência pedagógica promove em relação à formação inicial dos docentes, sendo assim como subvenção investigativa integramos nossa problemática. Qual a contribuição do Projeto do PRP do Centro Universitário Municipal de São José (USJ) para a formação inicial dos professores? Para tanto buscamos todo nosso fundamento teórico no banco de teses da CAPES fazendo a revisão sistemática de literatura sobre o tema e analises de teses na área de educação entre os anos de 2018 e 2019 nas regiões Sul, Sudeste e Centro Oeste. Selecionamos dezenove textos com os quais seguem embasada toda a nossa pesquisa, juntamente com diversos outros documentos legais. Dentre elas destacamos os trabalhos de (FARIA, 2018; LEAL, 2016; GUEDES, 2018; POLADIAN, 2014). Para esse artigo utilizamos a análise documental do PRP do USJ e a das análises às autoavaliações realizadas por vinte dois residentes presentes no programa. A temática desse trabalho é de extrema relevância para nós enquanto acadêmicas do curso de pedagogia, principalmente pela Universidade oportunizar nossa participação no Programa Residência Pedagógica. Por meio dele podemos compartilhar um pouco da nossa aprendizagem adquirida durante todo o processo apresentando, também o relato de nossos colegas, oportunizando assim o conhecimento para futuros participantes, professores, acadêmicos e comunidade escolar.

 


Palavras-chave


Residência Pedagógica. Formação inicial. Programa Residência Pedagógica.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes. CAPES publica editais do Pibid e do novo Programa de Residência Pedagógica. Brasília: 2018. Disponível em: http://www.capes.gov.br/36-noticias/8778-capes-publica-editais-do-pibid-e-do-novo-programa-de-residencia-pedagogica. Acesso em: 01 de maio de 2019.

BRASIL, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes. Programa de residência pedagógica. Brasília: 2018. Disponível em: http://www.capes.gov.br/educacao-basica/programa-residencia-pedagogica. Acesso em: 06 de abril de 2019.

BRASIL, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes. Portaria nº 38, de 28 de fevereiro de 2018. Brasília: 2018. p.01-02. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/01032018-portaria-n-38-de-28-02-2018-residencia-pedagogica.pdf. Acesso em: 25 de maio de 2019.

BRASIL, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes. A cidade de São Paulo será piloto do Programa de Residência Pedagógica. Brasília: 2017. Disponível em: http://www.capes.gov.br/36-noticias/8633-a-cidade-de-sao-paulo-sera-piloto-do-programa-de-residencia-pedagogica. Acesso em: 01 de maio de 2019.

BRASIL, Projeto de Lei do Senado n° 227, de 2007. 2007.p. 01-05. Disponível em: https://legis.senado.leg.br/sdleg-getter/documento?dm=4781776&ts=1553273281992&disposition=inline. Acesso em 27 de abril de 2019.

BRASIL. Conselho Nacional da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

BRASIL. Edital Capes 06/2018 que dispõe sobre a Residência Pedagógica. Disponível em https://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/01032018-Edital-6-2018- residencia-pedagogica.pdf. Disponível em 04 de setembro de 2019.

BRASIL. Ministério Da Educação Conselho Nacional De Educação.. Diretrizes Curriculares Nacionais e Base Nacional Comum para a Formação Inicial e Continuada de Professores da Educação Básica. 3ª Versão Do Parecer (Atualizada em 18/09/19) Brasília: 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília, DF, 2017.

BRASIL. Projeto de lei do senado n° 284, de 2012. 2012. p. 01-04. Disponível em: https://legis.senado.leg.br/sdleg-getter/documento?dm=4600002&ts=1553271148020&disposition=inline. Acesso em: 28 de abril de 2019.

CALDERANO, Maria da Assunção. O estágio curricular e os cursos de formação de professores: desafios de uma proposta orgânica. In: CALDERANO, Maria da Assunção (Org.). Estágio Curricular: Concepções, Reflexões Teórico-Práticas e Proposições. Juiz de Fora: UFJF, 2012 (a), p 237-260.

FARIA, Juliana Batista. O naufrágio, o baile e a narrativa de uma pesquisa [manuscrito]: experiências de formação de sujeitos em imersão docente / Juliana Batista Faria. - Belo Horizonte, 2018. 385 f., enc.: il. Disponível em: http://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses/#!/. Acesso em: 20 de abril de 2019.

GATTI, B. A formação inicial de professores para a educação básica: as licenciaturas. Revista USP, (100), 33-46, 2014. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/76164. Acesso em: 20 de abril de 2019.

GATTI, B.A., BARRETO, E.S. DE S., DE ANDRÉ, M.E.D.A., ALMEIDA, P.C.A., Professores do Brasil: Novos Cenários de Formação, Edições Unesco, UNESCO, Brasília, 2019.

GIGLIO, C. M. B. Residência Pedagógica como diálogo permanente entre a formação inicial e continuada de professores. In: DALBEN, A. et al. (Org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. 1ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010, v. 1, p. 375-392.

GUEDES; Luísa Azevedo. O Programa de Residência Docente do Colégio Pedro II: Escritas de formação na área dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Rio de Janeiro, 2018 p. 1 a 162. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1xcCmiKx14rBByYiRHwi3Lrk1B6NDvIfk/view.

Acesso em: 25 de maio de 2019.

IMBERNÓN, F. Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed, 2010.

LEAL, Carolina de Castro Nadaf. Residência pedagógica: representações sociais de formação continuada. Rio de Janeiro, 2016, p. 1 a 220. Disponível em: file:///D:/Documentos/tese-carolina-de-castro-nadaf-vers%C3%A3o-final-2016.pdf. Acesso em: 01 de maio de 2019.

LÜDKE, Menga. O lugar do estágio na formação de professores. In Educação em Perspectiva, v. 4, n. 1. jan/jun de 2013.p. 111-131.

ORGANIZAÇÕES DAS NAÇÕES UNIDAS NO BRASIL - ONU BR. 17 Objetivos para transformar o mundo. Disponível: https://nacoesunidas.org/pos2015/. Acessado em: 15 de out. de 2016a.

ORGANIZAÇÕES DAS NAÇÕES UNIDAS NO BRASIL- ONU BR. A Agenda 2030. Disponível em :https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/. Acesso em: 15 de out. de 2016b.

PANIZZOLO, C. et al. Programa de Residência Pedagógica da Unifesp: Avanços e Desafios para a implantação de propostas inovadoras de estágio. In: Políticas de Formação Inicial e Continuada de Professores. XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino. Campinas, anais, 2012.

PIMENTA, S. G. e LIMA M. S. L Estágio e Docência. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

POLADIAN; Marina Lopes Pedrosa. Estudo sobre o Programa de Residência Pedagógica da UNIFESP: uma aproximação entre Universidade e Escola na formação de professores. São Paulo, p. 1 a 130. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/11E6LydrKVlCgUiiynjMjjtV4xqG8KHGf/view.

Acesso em: 25 de maio de 2019.

SERRÃO. Maria Isabel Batista. Aprender a ensinar: a aprendizagem do ensino no curso de pedagogia sob o enfoque histórico-cultural / Maria Isabel Batista Serrão. - São Paulo: Cortez, 2006.

SILVA, Katia Augusta Curado Pinheiro; CRUZ, Shirleide Pereira. A Residência Pedagógica na formação de professores: história, hegemonia e resistências. Momento: diálogos em educação, E-ISSN 2316-3100, v. 27, n. 2, p. 227-247, mai./ago, 2018. Disponível em: https://periodicos.furg.br/momento/article/view/8062/5352. Acesso em: 01 de maio de 2019.

UBERTI, Luciane.Intencionalidade Educativa. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 38, n. 4, p. 1223-1242, out./dez. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edreal/v38n4/12.pdf. Acesso em: 01 de maio de 2019.

ZABALZA, Miguel A. O Estágio e as práticas em contextos profissionais na formação universitária. 1. Ed. São Paulo: Cortez, 2014.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.