O IMAGINÁRIO SOCIOAMBIENTAL DE MORADORES DO ENTORNO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Daniel Cardoso Alves

Resumo


Vitória da Conquista, cidade localizada na Região Sudoeste do Estado da Bahia, segundo a Lei Nº 1.410/2007, possui, no perímetro urbano, três unidades de conservação – UCs - oficialmente instituídas, a saber: Parque Municipal da Serra do Periperi (PMSP), Parque Municipal Urbano da Lagoa das Bateias (PMULB) e Parque Municipal Urbano da Lagoa do Jurema (PMULJ). Em tais unidades, somente podem ser desenvolvidas atividades científicas, de educação, de interpretação ambiental, de recreação em contato com a natureza ou de turismo ecológico, e isto, desde que sejam respeitados os demais critérios e restrições estabelecidos pela legislação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação. Entretanto, o desenvolvimento urbano de Vitória da Conquista veio acompanhado de uma relação caótica com o meio ambiente. Ao mesmo tempo, as iniciativas voltadas para as questões ambientais nessa cidade assumem vieses contraditórios, sobretudo no que se refere às políticas de proteção ambiental de UCs. Quando comparadas, por exemplo, as situações dos parques municipais urbanos das Lagoas das Bateias e do Jurema, é evidente a disparidade entre um e outro. Diante dessa constatação, foi proposta uma pesquisa qualitativa, que investigou o imaginário socioambiental dos moradores das áreas do entorno desses parques. Para tanto, utilizou-se de uma metodologia empírico-bibliográfica. Pretendeu-se, com este estudo, estabelecer uma reflexão maior sobre a importância da conservação ambiental de UCs em Vitória da Conquista, de forma a contribuir com o maior conhecimento acerca da obrigatoriedade legal e da importância ambiental da proteção dessas áreas ambientais. Buscou-se, também, tornar evidente a necessidade de proteção e revitalização do PMULJ e fornecer subsídios para a Política de UCs em Vitória da Conquista, sobretudo no que se refere às subjetividades da (re)produção do espaço urbano.

Palavras-chave


Unidades de Conservação. Imaginário socioambiental. Subjetividades. Políticas de proteção ambiental.

Texto completo:

PDF

Referências


AUTOR. Título. Cidade: IES, 2013. 120 p. (Dissertação – Mestrado em Ciências Ambientais – Área de Concentração em Meio Ambiente e Desenvolvimento).

BAHIA. Lei nº 1.410/2007. Código Municipal do Meio Ambiente de Vitória da Conquista. Disponível em: . Acesso em: 25 mai. 2014.

BAHIA. Lei nº 691/92, de 23 de dezembro de 1992. Cria a secretaria municipal do meio ambiente e institui ações de política de proteção, controle e conservação do meio ambiente. Disponível em: . Acesso em: 22 mai. 2014.

BENEDICTIS, Nereida Maria Santos Mafra. Política Ambiental e Desenvolvimento Urbano na Serra do Periperi em Vitória da Conquista Bahia. Dissertação de mestrado. Natal: Rio Grande do Norte, 2007.

BERNARDES, J. A.; FERREIRA, F. P. M. Sociedade e Natureza. In: CUNHA, S. B.; GUERRA, J. T. (orgs.). A questão ambiental – diferentes abordagens. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil Ltda, 2003.

BLOG DA RESENHA GERAL. Rio Verruga. Disponível em: . Acesso em: 12. Jun. 2015.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. Brasília, 1988. Disponível em: . Acesso em: 15 mai. 2014.

CARNEIRO, C. F. A. G. Padrões de interação sociedade e natureza: algumas peculiaridades do caso brasileiro. Desenvolvimento e Meio ambiente, n. 17, 2008.

CUNHA, L. H.; COELHO, M.C.N. Política e Gestão Ambiental. In: A Questão Ambiental: diferentes abordagens. CUNHA, S. B. Da; GUERRA, A. J. T. (orgs.). 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

CUNHA, Sandra Baptista da; GUERRA, Antônio José Teixeira, orgs. A questão ambiental: diferentes abordagens. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

FERRAZ, Ana Emilia de Quadros. O Urbano em construção: Vitória da Conquista: um retrato de duas décadas. Edições UESB, 2001.

FERREIRA, Nilda Tevês; EIZIRIK, Marisa Faermann. Educação e imaginário social: revendo a escola. Em Aberto, Brasília, ano XIV, n. 61, jan./mar. 1994.

FOLADORI, Guillermo; TAKS, Javier. Um olhar antropológico sobre a questão ambiental. Mana [online]. 2004, vol.10, n.2.

GUIMARÃES, Mauro. A dimensão ambiental na educação. São Paulo: Papirus, 1995.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Visão do paraíso. 4 ed. São Paulo: Editora Nacional, 1985.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Censos demográficos. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2013.

LIMA, Gustavo Ferreira da Costa. Crise ambiental, educação e cidadania: os desafios da sustentabilidade emancipatória. In: LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo; LAYRARGUES, Philippe Pomier; CASTRO, Ronaldo Souza de. Educação Ambiental: repensando o espaço da cidadania. 2 ed. São Paulo, Cortez, 2002.

LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. Tradução Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

MARX, Karl. O Capital. Vol. 2. 3ª edição, São Paulo, Nova Cultural, 1988.

MORIN, Edgard. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 9ª Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

PÁDUA, José Augusto. Um sopro de destruição: pensamento político e crítica ambiental no Brasil escravista (1786-1888). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

ROSS, Jurandyr. Ecogeografia do Brasil: subsídios para o planejamento ambiental. São Paulo: Oficina de Textos, 2006.

VELHO, G.; VIVEIROS DE CASTRO, E. O conceito de cultura e o estudo das sociedades complexas: uma perspectiva antropológica. Artefato: Jornal de Cultura, ano 1, n. 1, 1978.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.