PROJETO DE INTERVENÇÃO NA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS MÉDICOS DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE JARDIM BRASÍLIA, UBERLÂNDIA – MINAS GERAIS

Ulisses André Bonifácio, Maria Marta Amancio Amorim

Resumo


Esta pesquisa foi realizada no Curso de Especialização em Gestão do Cuidado em Saúde da Família, da Universidade Federal de Minas Gerais. Na Unidade Básica de Saúde da Família Jardim Brasília, composta por três médicos, os profissionais são graduados em medicina, mas não tem formação específica em medicina geral especializada. Sabe-se que a qualificação dos profissionais de saúde é emergencial no país. Assim este trabalho tem como objetivo propor um projeto de intervenção para a implantação de um programa de educação permanente para os médicos da Unidade Básica de Saúde da Família Jardim Brasília, Uberlândia - Minas Gerais. A metodologia que embasou o presente trabalho foi o planejamento estratégico situacional. Foi realizada uma revisão bibliográfica nas bases de dados da Scientific Electronic Library Online, da Literatura Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde com ênfase em Saúde da Família, Educação Médica e Atenção Primária à Saúde, e também nos materiais do Ministério da Saúde. Foi percebido um volume alto de fila de espera para especialidade, que poderia ser resolvido na própria unidade básica de saúde pelos médicos lotados na unidade. Por fim, buscou-se incentivar os médicos a se aprimorarem por meio dos programas de educação permanente.

Palavras-chave


Educação Permanente. Atenção Primária à Saúde. Saúde da Familia.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 19 de jun. de 2019.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 3, de 20 de junho 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. 2014. Disponível em: https://faceres.com.br/cursos/medicina/diretrizes-curriculares-nacionais-medicina-de-2014. Acesso em: 20 de mai. de 2019.

CAMPOS, Francisco Carlos Cardoso de; FARIA, Horácio Pereira de; SANTOS, Max André dos. Planejamento e avaliação das ações em saúde. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, 2018.

GOMES, Andréia Patrícia; COSTA, José Roberto Bittencourt; JUNQUEIRA, Túlio da Silva et al. Atenção primária à saúde e formação médica: entre episteme e práxis, Revista Brasileira de Educação Médica (Online), v. 36, n. 4, p. 541-549, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE Cidades@. Brasília, (Online), 2018. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/ uberlandia/panorama. Acesso em: 19 de jun. de 2019.

MACHADO, Clarisse Daminelli Borges; WUO, Andrea; HEINZLE, Marcia. Educação Médica no Brasil: uma Análise Histórica sobre a Formação Acadêmica e Pedagógica. Revista Brasileira de Educação Médica (Online), v. 42, n. 4, p. 66-73, 2018.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. OMS. Declaração de Alma-Alta, 1978. 3 p. Disponível em: . Acesso em: 21 de mar. de 2019.

VASCONCELOS, Rafaela Noronha de Carvalho; RUIZ, Erasmo Miessa. Formação de Médicos para o SUS: a Integração Ensino e Saúde da Família: Revisão Integrativa, Revista Brasileira de Educação Médica (Online), v. 39, n. 4, 630-638, 2015.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.