GRUPO OPERATIVO COMO ESTRATÉGIA DO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

Eurides Santos Pinho, Fernanda Costa Nunes, Raquel Rosa Mendonça do Vale, Johnatan Martins Sousa, Nathália dos Santos Silva

Resumo


O processo de ensino aprendizagem pautado no processo grupal pode ser operacionalizado pelo Grupo Operativo que tem como estratégia a tarefa grupal. Por meio desta, é possível incitar a reflexão crítica teórico-prática mediante a vivências em grupo que intensificam a construção de conhecimento. Deste modo, este artigo tem o objetivo de descrever a utilização do Grupo Operativo como estratégia de ensino aprendizagem. Trata-se de um relato de experiência que utilizou o Grupo Operativo como alicerce de desenvolvimento da disciplina Ciências Sociais em Saúde II, integrada na matriz curricular dos cursos de enfermagem e odontologia em uma instituição de ensino superior privada do município de Goiânia, Goiás. Participaram dos Grupos Operativos 59 discentes, divididos em duas turmas A e B, no período agosto a novembro de 2017, o que totalizou 18 encontros com cada turma. Cada Grupo Operativo havia um tema estabelecido e técnicas de grupo previamente planejadas. A partir dos grupos, percebeu-se o estímulo na busca de informações e consequente construção de conhecimento pelos discentes, bem como a discussão e reflexão dos temas que abordam os contextos sanitários, sociais e culturais da população. Além do processo de aprendizagem, oportunizou o processo de nucleação dos discentes como grupo e turma a partir das percepções, opiniões e tarefas que propiciaram a identificação e coesão grupal.

Palavras-chave


Processos grupais. Estrutura de grupo. Ensino. Educação. Educação superior.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDALO, C. O papel de coordenador de grupo. Psicol. USP, v.1, n.12, p. 135-52, 2001.

BANDEIRA, R.; BAPTISTA, J.; DA SILVA, J. B.; LIMA, A. K. et al. Uso de grupos operativos como alternativa educacional no ensino superior. Revista Remecs-Revista Multidisciplinar de Estudos Científicos em Saúde, 1, n. 1, p. 3-12, 2016. Disponível em: https://www.revistaremecs.com.br/index.php/remecs/article/view/1

BASTOS, A. B. B. Interações e desenvolvimento no contexto social da creche à luz de Henri Wallon. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2010.

CAMPOS, A.B.B.I. A técnica de grupos operativos à luz de Pichon-Rivière e Henri Wallon. Psicólogo in Formação, ano 14, n. 14, jan/dez 2010. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-88092010000100010

CASTANHO, P. Uma introdução aos grupos operativos: teoria e técnica. Vínculo-Revista do NESME, v. 9, n. 1, 2012. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-24902012000100007

HUR, D.U.; MENDONÇA, G.S.; VIANA, D.A. Educação Física e formação: o grupo operativo como um dispositivo de avaliação. Rev. SPAGESP, Ribeirão Preto, v. 17, n. 2, p. 96-107, 2016. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-29702016000200008

LUCCHESE, R.; BARROS, S. Grupo operativo como estrategia pedagógica en un curso de graduación en enfermería: un continente para las vivencias de los alumnos del cuarto ano. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 36, n. 1, p. 66-74, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0080-62342002000100010&script=sci_arttext&tlng=es

LUCCHESE, R.; BARROS, S. A utilização do grupo operativo como método de coleta de dados em pesquisa qualitativa. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 9, n. 3, 2007. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v9/n3/pdf/v9n3a18.pdf

MENEZES, K.K.P.; AVELINO, P.R. Grupos operativos na Atenção Primária à Saúde como prática de discussão e educação: uma revisão. Cadernos Saúde Coletiva, v. 24, n. 1, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cadsc/v24n1/1414-462X-cadsc-24-1-124.pdf

MOTTA, K.A.M.B.; MUNARI, D.B. As trilhas do trabalho de grupos: teorias e aplicabilidade. Curitiba: CRV; 2016.

MOSCOVICI, F. Equipes Dão Certo, A multiplicação do talento humano. 6 ed. Rio de Janeiro. Ed José Olympio, 2001.

MOSCOVICI, F. Desenvolvimento interpessoal: treinamento em grupo. 14 ed. Rio de Janeiro: José Olympio; 2004.

OKAMOTO, M.M. Revisitando Enrique Pichon-Rivière: Grupo Interno, história de origem e contexto social. PUC-SP. São Paulo, v. 17, n. 06, p. 2017, 2017.

OSÓRIO, L.C. Grupos, teorias e práticas: acessando a era da grupalidade. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 2000.

PICHON-RIVIÈRE H. O processo grupal. Trad. de Marco Aurélio Fernandes Velosso. 8ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

SOARES, S.M.; FERRAZ, A.F. Grupos operativos de aprendizagem nos serviços de saúde: sistematização de fundamentos e metodologias. Esc Anna Nery R Enferm, v. 1, n1, mar. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452007000100007&lng=pt&tlng=pt

SAMPAIO, A. B. A. et al. Processos afetivos na relação professor e aluno: reflexões sobre a mediação do psicólogo escolar. Revista Expressão Católica; v. 6, n. 1; p. 55, 2017. Disponível em: http://publicacoesacademicas.unicatolicaquixada.edu.br/index.php/rec/article/view/2071

SANTOS, M. A. et al. Grupo operativo com professores do ensino fundamental: integrando o pensar, o sentir e o agir. Revista da SPAGESP, v. 17, n. 1, p. 41, 2016. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-29702016000100005

ZIMERMAN, D. Fundamentos básicos das grupoterapias. Porto Alegre: Artes Médicas. 1993.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.