SAÚDE MENTAL: OLHARES DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

Helena Cristina da Silva, Tatiane Muniz Barbosa

Resumo


O estudo objetivou investigar a percepção dos profissionais da ESF e NASF, de uma cidade do Planalto Serrano de SC, sobre o preparo recebido para atuação com o usuário de saúde mental na APS. Realizou-se pesquisa qualitativa com onze sujeitos que atuam na ESF e no NASF. Os dados coletados através de entrevista semiestruturada, após aplicação do TCLE e Parecer 734.894 de aprovação do CEP, foram analisados através de Análise de Conteúdo. Os resultados indicam que o entendimento dos profissionais da APS sobre o cuidado aos usuários em sofrimento psíquico ainda é limitado e fragmentado, focado na “doença” e não nos “sujeitos”. As capacitações recebidas são escassas, insuficientes e amplas, sem considerar as necessidades dos profissionais e a própria realidade da saúde mental neste nível de atenção. De forma geral, percebeu-se que os profissionais tem o entendimento de ser responsabilidade de todos os membros das equipes o cuidado com esses usuários, porém ainda é reforçada a lógica da desresponsabilização e encaminhamento de casos. Diante disso, observa-se que a percepção dos profissionais de saúde acerca da preparação para o cuidado com o usuário de saúde mental ainda não dá conta de consolidar as diretrizes preconizadas pela Reforma Psiquiátrica.

 


Palavras-chave


Saúde mental; cuidado; atenção primária à saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARANTE, P. Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007.

BARBOSA, T. M.; MELO A.; TONIN, C.F. Os estilos de pensamento de professores da saúde sobre Saúde Mental. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Psicologia da Universidade do Planalto Catarinense. Lages: UNIPLAC, 2012.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2014.

___. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção á Saúde. Politica Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Gestão participativa e cogestão. Brasília: Ministério da Saúde, 2009a. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2014.

___. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Departamento de Gestão da Educação em Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2009b.

___. Ministério da Saúde. O SUS e a Terapia Comunitária. Luiz Odorico Monteiro de Andrade. BARRETO, I. C. H. C.; BARRETO, A. Fortaleza: UFC, 2008. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2014.

___. Ministério da Saúde. Saúde Mental e Atenção Básica: o vínculo e o diálogo necessários. Brasília: Coordenação Geral de Saúde Mental e Coordenação de Gestão da Atenção Básica, 2003. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2014.

BREDA, M. Z.; AUGUSTO, L. G. S. O cuidado ao portador de transtorno psíquico na atenção básica de saúde. Ciênc. saúde coletiva. v. 6, n. 2, p. 471-480, 2001. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2014.

CAMPOS, G. W. S. Saúde: paideia. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 2005.

CHIAVERINI, D. H. (Org.) et al. Guia prático de matriciamento em saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde: Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde Coletiva, 2011. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_pratico_matriciamento_saudemental.pdf>. Acesso em: 19 out. 2014.

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE – CNS. Resolução 466/12. Disponível em: . Acesso em: 19 out. 2014.

CORREIA, V. R.; BARROS, S.; COLVERO, L. A. Saúde mental na atenção básica: prática da equipe de saúde da família. Rev. Esc. Enferm. USP, 45(6):1501-6, 2011. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2015.

CUNHA, G. T. A. A construção da clínica ampliada na atenção básica. São Paulo: Hucitec, 2005.

DELGADO, P. G. G. Formação em saúde mental para o SUS: a estrada pedregosa e a máquina do mundo. In: COSTA, I. I.; GRIGOLO, T. M. (Org). Tecendo redes em saúde mental no cerrado. ABRAFIPP/UnB/MS, 2009.

FRANCO, T. B.; BUENO, W. S.; MERHY, E. E. O acolhimento e os processos de trabalho em saúde: o caso de Betim, Minas Gerais, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.15, p. 345-353, 1999. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/csp/v15n2/0319.pdf>. Acesso em: 22 out. 2014.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 50. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

GRANA, L.; BASTOS, A. G. Vulnerabilidade Social: o psicodiagnostico como método de mapeamento de doenças mentais. Psic. Ciência e profissão. 30(3), 650-661, 2010. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2015.

JUNQUEIRA, M. A. B.; PILLON, S. C. A assistência em saúde mental na Estratégia Saúde da Família: uma revisão de Literatura. Rev. Enferm. Cent. O. Min. abr/jun; 1(2): 260-267, 2011. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2015.

LANCETTI, A.; AMARANTE, P. Saúde Mental e Saúde Coletiva. In: MINAYO, M. C. S.; AKERMAN, M.; DRUMOND JÚNIOR, M.; CARVALHO, Y. M. (Org.). Tratado de saúde coletiva. São Paulo: Editora Hucitec, 2012.

MAGALHÃES, V. C. Ações de saúde mental desenvolvidas por profissionais de saúde no contexto da atenção básica. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Especialização em Educação em Saúde Mental Coletiva. Porto Alegre: UFRGS, 2012. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2015.

MARTINS, A. K. L.; BRAGA, V. A. B.; SOUZA, A. M. A. Práticas em Saúde Mental na Estratégia Saúde da Família: um estudo bibliográfico. Rev. Rene. Fortaleza. v. 10, n. 4, p. 165-172, out./dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2014.

OMS, Organização Mundial de Saúde. OPAS, Organização Pan-Americana de Saúde. A Resolução de Problemas de Saúde Mental. In: Relatório sobre a saúde no mundo 2001. p. 79-107). OMS, 2001. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2014.

ONOCKO CAMPOS, R.; GAMA, C. Saúde Mental na Atenção Básica. In: CAMPOS, G. W. S. GUERREIRO, A. V. P. Manual de práticas de Atenção Básica: saúde ampliada e compartilhada. São Paulo: Hucitec, 2010.

PAULON, S.; NEVES, R. Saúde mental na atenção básica: a territorialização do cuidado. Porto Alegre: Livraria Sulina Editora, 2013.

SILVA, A. L. C. Terapia comunitária como abordagem complementar no tratamento da depressão: uma estratégia em saúde mental no PSF de Petrópolis. (Dissertação de Mestrado). Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2014.

SUCIGAN, D H. I.; TOLEDO, V. P., GARCIA, A. P. R. F. Acolhimento e saúde mental: desafio profissional na estratégia saúde da família. Rev Rene. v. 13, n. 1, p. 2-10, 2012. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2014.

ZAMBENEDETTI, G.; PERRONE, C. M. O Processo de construção de uma rede de atenção em Saúde Mental: desafios e potencialidades no processo de Reforma Psiquiátrica. Physis. 18(2): p. 277-293, 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2015.




Diretos Autorais

 

A revista Gepesvida é de acesso livre. É, portanto, fundamental que o autor ao utilizar-se dela para publicação de trabalhos observe conduta apoiada em princípios éticos, de modo a respeitar o direito de propriedade intelectual sobre a obra a ser submetida. 

 Dessa maneira, as Revistas Eletrônicas do ICEP buscam agir sob uma política de publicação no intuito de proteger seus interesses como veículo divulgador da ciência, bem como garantir os interesses de seus colaboradores que aqui depositam sua confiança publicando o resultado de suas pesquisas científicas.


O termo de cessão que segue é regido pela lei n° 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais no Brasil.